Tamanho do texto

O goleiro voltou a treinar normalmente com bola na semana passada e teve atuação decisiva na vitória sobre o Criciúma

O primeiro dia de exercícios técnicos do Palmeiras após a estreia no Campeonato Brasileiro foi de sustos. Na manhã desta terça-feira, Fernando Prass voltou a sentir as dores no tornozelo direito que o tiraram da semifinal do Campeonato Paulista e deixou o treino. No fim, Wesley saiu da atividade com um algodão para conter sangramento no nariz.

Torcida lança site para permanência de Kardec e manda recado para o Palmeiras

Em relação a Prass, o incômodo é o mesmo que ele sentiu em 29 de março, quando defendeu pênalti de Alan Kardec com o pé direito e se machucou - no dia seguinte, não aguentou atuar mais do que o primeiro tempo da derrota para o Ituano que tirou o time do Estadual.

O goleiro voltou a treinar normalmente com bola na semana passada e teve atuação decisiva na vitória sobre o Criciúma, no domingo. Mas nesta terça-feira, ao participar de atividade no qual o elenco foi dividido em quatro times e atuaram nas metades do campo, saiu no início dos trabalhos reclamando de dores.

O veterano iniciou tratamento nas dependências internas da Academia de Futebol e será reavaliado pelos médicos. A expectativa é de que esteja à disposição para enfrentar o Fluminense, no sábado, mas Bruno já treinou no seu lugar na manhã desta terça-feira.

Já Wesley terminou o treinamento com um pedaço de algodão na narina esquerda. O volante, entretanto, saiu do campo avisando que o motivo do sangramento foi "coisa de treino".

A atividade desta manhã teve a presença integral de Valdivia, que participou sem aparentar problemas. Os únicos que fizeram trabalhos separados foram os zagueiros Victorino e Thiago Martins, que tratam de contusão.

Bruno César sente lesão muscular e não tem data para voltar a jogar

O reforço apresentado com mais badalação no centenário palmeirense ainda não convenceu em campo e, agora, apresenta novo problema físico. Bruno César reclamou de dores na coxa direita na vitória sobre o Criciúma, no domingo, e foi constatado um problema em seu adutor que pode deixá-lo, ao menos, um mês sem condições de jogar.

Os médicos mantêm a política de não divulgar um prazo de recuperação, mas esse tipo de lesão dificilmente demora menos do que quatro semanas para ser curada. De acordo com a evolução, é possível que o camisa 30 só volte a ficar à disposição após a Copa do Mundo, já que o clube só tem compromisso até 1º de junho.

A lesão é mais um obstáculo na complicada passagem do jogador pelo Verdão até o momento. Emprestado pelo Al Ahli até 31 de dezembro, Bruno César levou mais tempo do que se estipulava para se adaptar aos treinos de Gilson Kleina após passar um ano na Arábia Saudita e ainda não atingiu plenas condições físicas.

O atleta de 25 anos se apresentou na última semana de janeiro acima do peso e ele mesmo admite que não está 100% fisicamente mesmo há três meses treinando. Ganhou a posição de titular, mas ainda está longe de convencer. Foram 11 jogos, com dois gols e uma assistência, com mais críticas do que elogios. Neste ano, já tinha se queixado de dores por pancada na coxa esquerda.

Bruno César foi pedido por Gilson Kleina e abriu mão das dívidas que tinha com o clube árabe, que detém seus direitos econômicos, para acertar empréstimo com o Palmeiras. O meia chegou a ser dispensado do time B do Verdão em 2007 e voltou credenciado pelo sucesso que teve no Corinthians em 2010, mas ainda não mostrou o futebol que se espera dele.

Sem Bruno César, é possível que Mendieta apareça como parceiro de Valdivia na armação contra o Fluminense no sábado, formando um meio-campo mais técnico. Outra opção seria a presença de Leandro e Marquinhos Gabriel abertos pelas pontas, com Valdivia municiando o ataque que terá Alan Kardec como referência no Pacaembu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.