Tamanho do texto

Após se destacar na partida da estreia da equipe, diante do Atlético-MG, meia brincou com seu nome inusitado

O meia corintiano Petros agradece à mãe por não ter um nome mais estranho
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
O meia corintiano Petros agradece à mãe por não ter um nome mais estranho

Destaque do Corinthians na primeira rodada do Campeonato Brasileiro , no empate em 0 a 0 com o Atlético-MG , o meia Petros comemorou o bom início no clube do Parque São Jorge, mostrou seu respeito ao padroeiro alvinegro, que tem seu dia festejado nesta quarta-feira, e agradeceu à sua mãe por não ter um nome mais estranho.

Confira a classificação atualizada, artilharia e notícias do Campeonato Brasileiro

"É feio o meu nome. Acho que meus pais acho que estavam brigados. O nome do meu pai é Petrônio. Também é feio, e o apelido era Petros. Ele queria colocar Petrônio II, ia ser muito pior", afirmou o meia, arrancando gargalhadas na sala de imprensa do CT do Parque Ecológico.

"Vocês estão rindo, mas é sério. Era para ser Petrônio II! Minha mãe teve um segundo de consciência e falou: ‘Vamos pelo menos colocar o apelido, é mais fácil de falar’. Deus tocou o coração dela e me deu a oportunidade de pelo menos chamar Petros", sorriu.

E mais: Médico aponta situação isolada em novo problema, mas vê Renato Augusto abatido

O nome ficou na boca da torcidaapós o empate com o Atlético-MG, no último final de semana. Recém-chegado do Penapolense, o atleta de 24 anos foi a surpresa na escalação, no lugar do combalido Renato Augusto, e teve uma atuação que agradou - fruto, segundo ele, da boa recepção que teve no Corinthians.

"Nos clubes por que passei, nunca fui tão recebido quanto aqui. Apareceu a oportunidade rapidamente e fiquei feliz com meu desempenho", disse o baiano de Juazeiro, mais bem ajustado ao clube do que à cidade de São Paulo. "O trânsito é complicado, eu me perdi aí. Mas criaram um aplicativo que tem ajudado."

A adaptação ao Corinthians tem sido tão rápida que Petros passou a fazer pedidos a São Jorge, padroeiro da equipe. No 23 de abril do santo guerreiro, o jogador - que tem uma grande cruz tatuada na panturrilha direita - dedicou-lhe uma oração antes do treinamento.

"Sabia que hoje é o dia dele, sim. Sou católico, falo de Deus porque a gente tem que agradecer mesmo. Hoje, fiz minha oração a São Jorge, independentemente de ser o meu santo forte. Já fiz a minha oração, sim", concluiu o meia, grato, entre outros motivos, por não ser Petrônio II.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.