Tamanho do texto

Volante negociou com o clube no ano passado, pediu salário alto e levou bronca de Paulo Nobre. Agora diz que reduziu o pedido e promete brilhar no clube

A última contratação apresentada pelo Palmeiras no centenário chegou gaguejando, até com um pouco de tremedeira. Josimar diz que estava tenso por apreensão, já não aceitou uma oferta do clube em 2013, quando teria pedido salário 150% maior do que recebia no Inter. Agora jogador palmeirense, ele diz que até cedeu para fechar o negócio.

“Não chegamos a acordo financeiro, tinha muita gente no meio para eu vir para cá e ficou pesado o orçamento. Mas fiz a minha parte neste ano. Abri mão do salário que pedi para vestir a camisa do Palmeiras”, contou o volante, procurando palavras e nervoso diante do assunto que dominou a entrevista.

Leia mais: Kleina pede lateral-direito, mas Brunoro nega procura

Josimar veste a camisa do Palmeiras em sua apresentação
Daniel Vorley/ Agif/Gazeta Press
Josimar veste a camisa do Palmeiras em sua apresentação

Em 30 de janeiro de 2013, Nobre, com nove dias na presidência, divulgou nota oficial usando Josimar como exemplo negativo. “Fizemos uma proposta salarial de 50% de aumento em relação ao que o volante Josimar recebe hoje no Inter, mas ele pediu um acréscimo mínimo de 150% em seus vencimentos, fora as luvas, para defender o Palmeiras. Este é o tipo de postura que o Palmeiras não vai mais tolerar. Queremos trazer atletas que queiram, de fato, vestir a nossa camisa”, disse o dirigente na época.

Nesta terça-feira, o discurso foi bem mais ameno. “Tentamos no ano passado e, infelizmente, houve um desacordo financeiro que não possibilitou a sua vinda. Mas agradeço muito todo o esforço do Josimar para vir neste ano, é uma honra tê-lo no clube”, falou Nobre ao entregar a camisa 15 ao jogador, contratado a pedido de Gilson Kleina, que o treinou na Ponte Preta, e emprestado pelo Inter até o fim do ano.

O argumento de Josimar foi o sonho de estar na Academia de Futebol. “Deixei de ir para clubes que me ofereceram para ir ao Palmeiras, mas achei que seria melhor vir para cá. Ainda mais trabalhando com o Kleina, será melhor para mim”, comentou.

“Jamais ia deixar de jogar em um grande clube como o Palmeiras, independentemente da divisão em que estava no ano passado. Não deu certo, mas queria vestir a camisa do Palmeiras. O torcedor pode ficar tranquilo porque a minha vontade é jogar aqui e quero deixar a torcida feliz da vida”, declarou. “Vou me dedicar em campo e vai resolver tudo isso. É complicado ver isso de que pedi 150% a mais, mas esqueçam isso. Vou honrar essa camisa.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.