Tamanho do texto

Técnico do São Paulo mostrou-se preocupado com o aumento de jogadores do exterior no país

O técnico Muricy Ramalho está preocupado com o momento das categorias de base no Brasil. Ao ver a busca dos clubes por estrangeiros, o treinador do São Paulo entende que o aumento do interesse por atletas do exterior se dá pela dificuldade em revelar talentos no país.

Nas condições atuais, Brasileirão 2014 é juridicamente impossível

"Conversei esses dias sobre isso, porque é uma preocupação. Estão trazendo tantos de fora, e o futebol brasileiro nunca tinha passado por isso. Nós tínhamos um estrangeiro de vez em quando, muitas vezes uruguaio, mas hoje vejo o Vasco, por exemplo, com cinco", comentou.

O próprio São Paulo recorreu ao mercado sul-americano, pois contratou nesta temporada o uruguaio Alvaro Pereira e o colombiano Pabon, além de já ter também Clemente Rodriguez. O mercado no Brasil está ainda mais aberto em 2014 porque a CBF aumentou o limite de estrangeiros em um jogo para cinco por equipe.

Rafael Toloi assina com Roma e vibra com chance de atuar na Europa

Para Muricy, tudo isso é reflexo das poucas revelações. O técnico tomou cuidado para deixar claro que sua preocupação é com o futebol brasileiro em geral, e não especificamente em relação ao São Paulo, que se gaba pela excelente infraestrutura do CT de Cotia.

"Nós precisamos de centroavante, para se revezar com o Luis Fabiano, mas não temos na base. Temos de rever isso. Claro que existem os jogadores que vão embora do país, mas isso sempre teve. E a reposição está difícil. Converso com outros treinadores, até para trocar, mas não tem. É uma coisa muito difícil. Estamos no mercado, procurando, e dependemos do bom negócio", argumentou.

Muricy vê Luis Fabiano preparado, mas sem força para lutar sozinho no São Paulo

Muricy alega que a intenção não é contratar um reforço impactante para ser reserva de Luis Fabiano, mas lamenta por ter dificuldade de encontrar alguém no Brasil em condições de simplesmente compor o grupo.

"Não queremos um grande nome, até porque a parte econômica é difícil. Nós só esperamos que seja um bom jogador, mas olhamos em todas as divisões e está complicado", salientou.


* Com Gazeta Esportiva