Tamanho do texto

Jogadores decidiram não enfrentar a Real Sociedad em protesto pela falta de pagamento dos salários

O duelo com a Real Sociedad, marcado para a tarde desta quinta-feira, no estádio El Sardinero, não aconteceu. Em protesto aos salários atrasados, o elenco do Racing Santander, após o apito inicial do árbitro, se abraçou em torno do círculo central e não fez menção de disputar a bola. Após segundos de indefinição, o capitão Mário Fernandez declarou que o time não jogaria, fazendo com que o juiz encerrasse o embate, decretando a classificação do clube do País Basco para a semifinal da Copa do Rei.

Com o apito final, o elenco do Racing Santander voltou ao vestiário aplaudido pelos seus torcedores. Na saída de campo, o defensor Javi Soria comentou a atitude: "Tínhamos claro o que faríamos este protesto, desde segunda-feira. É uma pena que tenhamos que ter chegado até aqui. Esperamos que não haja maiores consequências para todos", sintetizou.

O boicote já era planejado pelo elenco desde o início da semana. Com o pagamento irregular desde agosto do ano passado, o plantel do Racing Santander exigiu a saída dos membros do Conselho de Administração do clube. Tal medida foi acatada pela maioria dos mandatários, menos por Ahsan Ali Syed, representante da empresa WGA, detentora da maior porcentagem das ações do clube, e Ángel Lavín Harry, presidente.

Mesmo com a indefinição do presidente, o Racing Santander foi a campo e realizou o trabalho de aquecimento. Porém, quando soube da decisão de Lavín Harry, abdicou da partida. O presidente chegou a se reunir com a diretoria na sede do clube, mas não atendeu o pedido de seus comandados.

Clube da Terceira Divisão Espanhola, o Racing Santander, que esteve na elite durante a temporada 2011/12, não deve ter participação na próxima Copa do Rei, por causa de tal atitude.


* Com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.