Tamanho do texto

Osvaldo Sestário, representante da Lusa no STJD, disse que se recusou a admitir um erro que não cometeu

O advogado que representava a Portuguesa no dia do julgamento de Héverton no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), Osvaldo Sestário, revelou que o então presidente do clube, Manuel da Lupa, pediu a ele que assumisse a culpapela escalação irregular do jogador. O erro causou a perda de quatro pontos e o rebaixamento da Lusa à Série B do Campeonato Brasileiro, e o Ministério Público de São Paulo atua para entender quem foi o responsável.

"Eles me pediram mais de uma vez para que eu ajudasse e assumisse a culpa. Prometeram que iam me ajudar, falando da minha conduta. Eu disse que não poderia fazer isso, porque eu iria assumir um erro que eu não cometi, seria ruim para a minha carreira e não ajudaria a Lusa. Até entendo o lado deles, pelo desespero da situação", disse em entrevista à  ESPN .

Além da revelação, o ex-advogado da Portuguesa contou que Rocha chegou a brincar sobre a falta de importância da punição aplicada a Héverton, já que o objetivo, na época, era conseguir um efeito suspensivo para Gilberto. Para acompanhar a situação do atacante, o clube enviou um representante.

"Durante o julgamento do Héverton, o Valdir me ligou algumas vezes para saber da situação do Gilberto, e eu logo passei o resultado do outro. Ele brincou dizendo: ‘(O Héverton) Não tem problema, esse tá indo embora, não joga nada, podia pegar dez ou 20 partidas’ e disse para eu focar em colocar o Gilberto em campo", contou.

Osvaldo Sestário aguarda o chamado de Roberto Senise, do Ministério Público (que investiga o caso e desconfia que pessoas ligadas à Portuguesa podem ter contribuído com o grave erro da escalação), para depor. "Vou colaborar com tudo. O promotor disse que já tem toda a história, só falta me ouvir", finalizou.

*com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.