Tamanho do texto

Zagueiro comentou as negociações com Souza e Pabón e lembrou dos tempos em que atuava no ataque

As possíveis chegadas do volante Souza, do Grêmio, e do atacante Pabón, do Valencia , animam o zagueiro Antonio Carlos, que teve de marcar os dois gols do São Paulo na vitória sobre o Oeste, no domingo. De acordo com ele, o elenco precisa dos reforços.

"É claro que ficamos felizes, porque mais gente está vindo pra ajudar. O grupo já é de qualidade, mas é sempre bom se reforçar. Os outros estão correndo atrás, mesmo com dificuldades. O Souza vai nos ajudar muito, já jogou contra a gente. Nunca vi o colombiano jogar, mas espero que ele seja feliz aqui", disse.

Ceni se mostra recuperado durante reapresentação do São Paulo

Depois de protagonizar no Morumbi, Antonio Carlos também admitiu a carência no setor ofensivo. "A gente já sabe só pelo número de atacantes (quatro). Só temos o Luis (Fabiano) como referência, e sabemos que é difícil jogar o ano todo por conta do número de jogos", explicou.

Mas, para o defensor, o São Paulo não deve nada para nenhum outro adversário do estado. "Não vejo ninguém muito acima de ninguém. Quando a gente bater de frente, a gente vê, mas o campeonato está muito nivelado. Demora pra todo mundo pegar ritmo", opinou.

É provável que o primeiro grande desafio dos são-paulinos seja o rival Palmeiras, no próximo domingo, no Pacaembu. Mas, antes, os comandados do técnico Muricy Ramalho, que vêm de duas vitórias, medirão forças com o Rio Claro, nesta quarta, no Morumbi.

Durante esta semana, a diretoria tentará oficializar o empréstimo de Pabón por um ano e meio. O colombiano deverá chegar em São Paulo em breve para fazer exames e assinar contrato. Enquanto isto, a cúpula tenta negociar Souza com o Grêmio, que quer envolver Rhodolfo nas conversas.

Artilheiro

Os dois gols marcados sobre o Oeste no último domingo fizeram o zagueiro Antonio Carlos se relembrar dos tempos de atacante, sua primeira posição no futebol. No entanto, as recordações não foram muito boas, já que ele mesmo admitiu que não era de fazer muitos tentos.

"Não era nada de mais. Não fazia gols... Ficava mais como parede, disputando a primeira bola com os zagueiros", explicou após o treinamento desta segunda-feira, no CT da Barra Funda. "Depois, no juvenil, joguei como zagueiro, e dali fiquei direto", acrescentou.


* Com Gazeta Esportiva

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.