Tamanho do texto

"Quando encaixamos a marcação e colocamos a bola no chão, tomamos conta do jogo", avaliou o treinador

Gilson Kleina costuma atribuir o mérito de vitórias e conquistas aos jogadores, mas admitiu que teve influência importante no 4 a 1 sobre o Atlético Sorocaba . Na visão do técnico, o triunfo como visitante foi construído quando os atletas atenderam aos seus pedidos para aproximar os setores e tocar a bola para o talento aparecer.

"Quando encaixamos a marcação e colocamos a bola no chão, tomamos conta do jogo. Tivemos tranquilidade e ainda bem que empatamos no primeiro tempo. No segundo tempo, foi outro jogo. Nossa equipe praticamente tomou conta do campo adversário, se posicionou, fez as jogadas, virou e ampliou o placar com muita competência e mérito dos jogadores", afirmou.

Valdivia deixou sua marca pelo Palmeiras
Helio Suenaga/Gazeta Press
Valdivia deixou sua marca pelo Palmeiras

Antes de encontrar seu jogo, o Verdão sofreu com Ewerthon, veterano atacante que passou por Corinthians, Palmeiras e Seleção Brasil e se encaixou no buraco entre a zaga e os volantes do Verdão para dar trabalho até abrir o placar. "Tivemos dificuldade de encaixe no primeiro tempo. Eles tinham uma ligação direta para o Ewerthon que marcávamos longe. Quando tomamos o gol, já tinha acontecido antes."

O empate veio pela calma, primeiro de Marcelo Oliveira, que esperou o tempo certo para a passagem de Wendel, ainda mais tranquilo ao lembrar das ordens do treinador e levantar a cabeça para cruzar rasteiro, com precisão, para Valdivia balançar as redes. No intervalo, a ordem foi para que nada fosse feito com pressa.

"Pedi para que parassem de fazer ligação direta. A equipe deles fazia isso, espaçava o nosso meio-campo e o Alex Willian dificultava porque tirava um dos volantes nossos e desprotegia a nossa defesa. Quando compactamos, fizemos valer a nossa qualidade. Tivemos não só a posse de bola como também começamos a verticalizar", comemorou.

Para completar, Marquinhos Gabriel saiu do banco para dar duas assistências em sua estreia. "Quem entrou foi bem, deu outro dinamismo. Fomos os últimos a jogar na quinta, tivemos viagem longa na madrugada e só deu para recuperar na sexta e no sábado viajar de novo. E ainda teve o desgaste do calor. Mas os jogadores foram inteligentes. A bola passou no nosso pé e valeu o que sempre esperamos do nosso jogador: talento", vibrou Kleina.

Kleina alerta que virada nunca é garantida

Pela segunda vez em três jogos no ano, o Palmeiras saiu atrás no placar. Como contra o Linense, na estreia no Paulista, o time conseguiu virar sobre o Atlético Sorocaba neste domingo, mas Gilson Kleina não fez só elogios aos seus comandados, ressaltando que nem sempre será possível buscar o resultado depois de levar gol.

"São dois jogos, mas temos que estar atentos. Não é toda hora que acontece isso, temos que frisar", insistiu, enfatizando falhas mesmo com três vitórias em três partidas na temporada. "Continuamos com erros, mas é melhor ajustar com vitórias do que com resultado adverso."

Ao apontar qualidades, Kleina gostou de ver a tranquilidade de Marcelo Oliveira e Wendel na construção do gol de empate, marcado por Valdivia. Uma prova de que não houve desespero. "Se acontecer e continuarmos reagindo, muito bem, mas não podemos só apostar nisso. Os adversários vão evoluir, nos analisar e poderemos não reagir quando sair atrás. Ficamos contentes e alerta", avisou.

Entre críticas e elogios, o técnico demonstra perfeccionismo. "Quero deixar o Palmeiras jogando em alto nível, mas carece de tempo e tranquilidade. Aconteceram situações que precisamos nos precaver e daqui a pouco pegamos equipe de mais qualidade. Mas estou muito orgulhoso", comemorou.

"Foi mais uma vez importante porque o time reagiu da maneira que foi. Ter 100% de aproveitamento é importante porque, além de mais uma vitória, te dá mais confiança para continuar sua trajetória", continuou sorrindo o treinador.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.