Tamanho do texto

Se a CBF não cumprir determinação de anular as penas a Portuguesa e Flamengo, MP entrará com ação contra ela

O promotor que investiga o caso Heverton, que acabou resultando na decisão do STJD de rebaixar a Portuguesa para a Série B, está certo de que houve ilegalidade no julgamento. Por isso, Roberto Senise afirmou nesta quarta-feira, após audiência no Ministério Público, que pedirá a anulação da decisão por ferir o Estatuto do Torcedor.

Leia também: Vice jurídico da Portuguesa contesta ex-advogado

Relembre o protesto feito por torcedores da Portuguesa contra a decisão do STJD

Senise questiona o fato de a suspensão do jogador não ter sido publicada no site da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) antes dos jogos. Por isso, pedirá à entidade, que será intimada a ir ao Ministério Público na próxima quinta-feira (30), a anulação das penas dadas a Portuguesa e Flamengo, que também teve pontos cassados após o julgamento pela escalação de André Santos. Se não aceitar, será iniciada uma ação civil contra ela.

A respeito do contrato oferecido pela CBF à Portuguesa, que previa o adiantamento de R$ 4 milhões em troca do compromisso do clube de jogar a Série B, Senise disse que a entidade respondeu de forma vaga ao ser questionada sobre o assunto, falando que apenas cumpriu a decisão do STJD.

O promotor afirmou que está investigado também eventuais favorecimentos ilícitos no caso. "Há muito ponto sem nó nesta história", afirmou.

As investigações do Ministério Público deverão durar até fevereiro, mas isso não significa que toda a indefinição sobre o Brasileirão 2014 vai desaparecer depois disso. "O campeonato vai acontecer, mas não sabemos quem serão os protagonistas. Será um campeonato sob júdice", afirmou Senise, referindo-se às ações dos torcedores e dos possíveis desdobramentos da ação pública que estarão em andamento. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas