Tamanho do texto

Jogador não marcava para o Corinthians desde os 4 a 0 sobre o Flamengo em setembro de 2013, no Brasileirão

Romarinho teve, em sua primeira partida sob comando de Mano Menezes, um posicionamento diferente do adotado quando Tite era o técnico do Corinthians. Com menos responsabilidade defensiva e maior liberdade para circular em torno do centroavante Paolo Guerrero, foi o melhor em campo na vitória por 2 a 1 sobre a Portuguesa .

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Festa de Romarinho em campo depois de marcar diante da Portuguesa na estreia no Paulistão
Mauro Horita/Gazeta Press
Festa de Romarinho em campo depois de marcar diante da Portuguesa na estreia no Paulistão


Muito criticado no último semestre por boa parte da torcida, que o acusava de hábitos noturnos pouco saudáveis, o atacante não deu motivo para reclamação no Canindé. Ele se movimentou muito bem, deu dribles desconcertantes nos beques rubro-verdes, quebrou um longo jejum de gols e comemorou de maneira muito mais efusiva do que a habitual.

Leia mais: Mano aprova estreia e lamenta apenas que vitória não tenha sido mais fácil

"Aqui é Corinthians!", gritou o jogador, depois de colocar o escudo alvinegro na boca e bater no peito. Ele chegou a socar o ar quando se aproximou dos torcedores, algo bem diferente do que aconteceu em gols muito mais importantes, como o marcado contra o Boca Juniors na final da Copa Libertadores de 2012.

O gol na estreia do Paulistão saiu após uma cobrança de escanteio curta e um cruzamento de Uendel. Romarinho aproveitou o erro no tempo de bola do zagueiro Diego Augusto para marcar de cabeça. Foi sua primeira bola na rede desde 1º de setembro, na vitória por 4 a 0 sobre o Flamengo.

Mais sobre o jogo: Na reestreia de Mano, Corinthians começa 2014 com vitória sobre a Portuguesa

De acordo com Mano Menezes, que não hesitou em assumir a responsabilidade pela boa atuação do camisa 31, foi decisiva a liberdade que lhe foi concedida. O técnico afirmou que o jogador não tem a responsabilidade de acompanhar com frequência o lateral esquerdo adversário, como acontecia com Tite.

"A função dada a ele foi estar muito próximo do Guerrero, fosse do lado esquerdo, do lado direito ou por dentro, como um verdadeiro ponta de lança. É necessário que os jogadores estejam mais próximos na parte ofensiva para você criar com qualidade", comentou o gaúcho.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.