Tamanho do texto

Guarin estava em Turim para fazer exames médicos, ao passo que Vucinic já tinha se despedido dos colegas

Freddy Guarin, meio-campista da Inter de Milão
AP
Freddy Guarin, meio-campista da Inter de Milão

Uma troca entre dois dos principais clubes do futebol italiano estava praticamente acertada. A Inter de Milão enviaria o meio-campista Freddy Guarín à Juventus, que cederia o atacante Mirko Vucinic. O colombiano estava, inclusive, fazendo exames médicos em Turim, ao passo que o montenegrino já tinha recebido um desejo de "boa sorte" do zagueiro Bonucci pelo Twitter. Mas a revolta da torcida do clube de Milão pode fazer a negociação emperrar.

Impressionado com a repercussão negativa dos fãs, o presidente da Inter, Eric Thohir, interrompeu as conversas com Giuseppe Marotta, diretor executivo da Juventus, que já estava em Milão para selar a permuta.

Amargando a reserva de Tévez e Llorente em Turim, Vucinic, de 30 anos, também é alvo do Arsenal, da Inglaterra. Porém, a diretoria da Juventus enxergou na troca um acordo mais vantajoso, já que o meia de 27 anos possui maior valor de mercado. A chegada do colombiano possibilitaria ao clube negociar Marchisio ou Pogba, controlando positivamente suas finanças.

O único entrave na negociação é o valor de 3 milhões de euros (cerca de R$ 9,5 milhões de reais), que teria de ser desembolsado pela Juventus como parte do acordo. Contudo, o protesto dos interistas acabou por desfigurar o acordo. Até o momento, nenhuma das partes se pronunciou sobre o caso.