Tamanho do texto

Ilídio Lico admite ter pedido ajuda por conta de problemas financeiros, mas diz que não aceitará proposta 'por nada'

Ilídio Lico, presidente da Portuguesa
Leandro Martins/Futura Press
Ilídio Lico, presidente da Portuguesa

O presidente da Portuguesa , Ilídio Lico, afirmou nesta segunda-feira estar revoltado com a oferta da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) . A entidade ofereceu uma proposta de adiantamento de R$ 4 milhões, desde que o clube aceite jogar a Série B em 2014. 

"Fiquei chateado", disse Lico na sede da FPF (Federação Paulista de Futebol), na eleição que definiu a permanência de Marco Polo Del Nero como presidente da entidade. "Não é que eu tenha me sentido ameaçado. Acho que aproveitaram-se da situação. Nós estamos precisando de dinheiro e acharam que aceitaríamos todas as condições", completou.

Leia mais: Del Nero diz que proposta de CBF à Portuguesa era minuta de contrato

De acordo com Lico, tudo teve início quando ele pediu à FPF um adiantamento das cotas do Brasileirão e do Paulistão, por conta dos problemas financeiros que o clube atravessa. Ele ouviu de Marco Polo Del Nero e de José Maria Marin -- vice-presidente e presidente da CBF, respectivamente -- que seria ajudado.

Jorge Nicola: Lusa quer ouvir conselheiros antes de recusar oferta da CBF

"Fiquei feliz, pois a gente precisava de dinheiro. Ficaram de mandar depois o contrato, que chegou por email e é esse aí que foi divulgado. Vi, fiquei decepcionado e consultei os poderes do clube. Naturalmente, quem gosta da Portuguesa ficou chateado. Retirar as ações na Justiça e ficar na Série B não faz parte da nossa filosofia e não farei isso por nada", afirmou.

As condições impostas pela CBF, segundo o presidente da Portuguesa, só foram vistas depois que o contrato chegou ao clube. Nele, não havia a assinatura de ninguém da CBF, mas o email foi mandado pelo departamento jurídico da entidade.

"Que a gente tá revoltado, está. Eu, como presidente, jamais posso aceitar um negócio desse. Perguntei ao Marco Polo depois sobre o contrato e ele disse que não conhece. Falei pra ele que, com esse contrato, eu estou morto. E se for morrer, que seja com dignidade", disse Lico. 

Após a proposta que recebeu da CBF, a Portuguesa ainda estuda quais providências vai tomar. "Estou lá para defender interesses da Portuguesa", declarou Lico. "Naturalmente, eu também tenho que ouvir os poderes dentro do clube. Vamos tomar a decisão. Mas eu estou muito chateado com tudo isso", encerrou.

Clube emite nota e promete ir ao Ministério Público

Minutos depois do presidente lídio Lico comparecer às eleições da FPF, a Portuguesa emitiu uma nota em seu site dizendo que levará os documentos enviados pela CBF ao Ministério Público. Leia na íntegra: 

"A Associação Portuguesa de Desportos informa, através desta nota oficial, que a proposta enviada pela CBF e que já circula na imprensa é verídica. Em posse deste documento, o clube irá proceder conforme foi decidido antes que a notícia vazasse, ou seja, irá apresentá-lo ao Ministério Público oportunamente para que este, ciente da questão, tome as devidas providências.

A Portuguesa de Desportos salienta também que em momento algum se dispôs a aceitar qualquer acordo que visasse uma troca do seu lugar, conquistado dentro de campo, por qualquer valor ou benesse."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.