Tamanho do texto

"Vamos, Jadson. É difícil, é sofrido, mas tem que marcar" e "Acompanha. Marca, senão você vai sofrer", dizia o técnico

Jadson, meio campista do São Paulo
Site oficial do São Paulo
Jadson, meio campista do São Paulo

O segundo dia da pré-temporada no São Paulo não foi nada fácil para Jadson. Em treinamento realizado em campo reduzido, o meio campista foi um dos mais exigidos pelo técnico Muricy Ramalho e não escondeu o cansaço após a atividade. O camisa 10 sofreu com o calor, a falta de ritmo e com os gritos do treinador sobre suas dificuldades de marcação.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

O trabalho comandado por Muricy apresentava duas equipes de seis jogadores cada. Os volantes Denílson, Wellington e Maicon, o meia Jadson e os atacantes Lucas Evangelista e Ademílson enfrentaram um time formado pelo lateral direito Caramelo, os volantes Rodrigo Caio, João Schmidt e Fabrício, o meia Paulo Henrique Ganso e o atacante Silvinho.

Leia também: Aloísio assina com chineses e só espera rescisão com São Paulo para viajar

Cada jogador deveria acompanhar apenas um adversário, mesmo que estivesse mais próximo de outro rival ou da bola. Apenas o argentino Marcelo Cañete, armador que esteve emprestado à Portuguesa na temporada passada, não recebia marcação e era o responsável por organizar as jogadas para os dois times, vestindo um colete amarelo.

E mais: São Paulo bate bola e volta a suar no segundo dia de pré-temporada

Atuando pelo time branco, Jadson disputou espaços com João Schimdt, da equipe azul. Os dois foram os que mais ouviram as reclamações de Muricy Ramalho, além do atacante Silvinho. O técnico cobrou mais movimentação da dupla e, principalmente de Jadson, marcação mais intensa e participação mais ativa no treino.

Em diversos momentos, o meia ficou parado no gramado e deixou João livre para tabelar com os companheiros. Muricy não deixou barato em nenhum momento e disparou frases como "Vamos, Jadson. É difícil, é sofrido, mas tem que marcar" e "Acompanha, Jadson. Marca, senão você vai sofrer". O treinador ainda se voltou contra todos os jogadores para dizer: "Vocês estão acostumados a só ver a bola, tem que marcar!"

Quando a atividade terminou, os outros doze jogadores buscaram a sombra e copos de água do lado de fora do campinho. Jadson ficou sozinho no gramado, agachou e colocou as mãos no joelho, dando sinais claros de esgotamento físico. Logo Denílson e Maicon se levantaram e fizeram companhia ao colega estenuado. O restante dos atletas de linha fizeram trabalhos físicos no Reffis, enquanto os goleiros receberam treinamento especial com o preparador Haroldo Lamounier.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.