Tamanho do texto

Eleição presidencial está marcada para abril e só nomes de goleiro e técnico agradam tanto situação quanto oposição

Temporada 2013 não deixará saudades para torcedores do São Paulo
Mauro Horita/ Agif/Gazeta Press
Temporada 2013 não deixará saudades para torcedores do São Paulo

O ano de 2013 não deixará nenhuma saudade para o São Paulo . Além do fato de não conquistado nenhum título, o time sentiu na pele a ameaça de rebaixamento à Série B. Passado o susto, a diretoria tricolor aposta em dois velhos conhecidos da torcida para ter um 2014 mais feliz: Rogério Ceni e Muricy Ramalho, únicos nomes que conseguem ser unanimidade em meio à briga política que vive o clube até abril.

A próxima temporada verá o fim da era Juvenal Juvêncio no comando são-paulino. E, pela primeira vez em 12 anos, há uma disputa interna que pode colocar a oposição no poder. Isso porque Carlos Miguel Aidar, presidente tricolor entre 1984 e 1988 e candidato da situação, será enfrentado por Kalil Abdalla, ex-diretor jurídico e aliado de Marco Aurélio Cunha, ex-superintendente de futebol e hoje ‘persona non grata’ para a atual diretoria.

Leia:  Sem reforços, Muricy já se contenta em melhorar 'algumas coisas' no São Paulo

Independentemente de quem vença o pleito, um ponto que agrada tanto à situação quanto à oposição é as permanências de Muricy Ramalho como técnico da equipe e Rogério Ceni, que completa 41 anos em janeiro, como goleiro titular e líder do elenco. E para 2014 ser considerado um sucesso o São Paulo não precisa de muita coisa. Basta um título e a vaga na Libertadores da temporada seguinte.

Prioridades

Eliminado do Paulistão na semifinal pelo Corinthians, da Libertadores nas oitavas de final pelo Atlético-MG e da Copa Sul-Americana pela Ponte na semi; derrotado na Recopa Sul-Americana pelo arquirrival do Parque São Jorge; e nono colocado no Brasileirão, mas com ameaça real de rebaixamento até a chegada de Muricy Ramalho em setembro. Para o São Paulo, um 2014 bom significa fazer exatamente o oposto de 2013.

No último ano da carreira de Rogério Ceni, o objetivo é simples: levantar um troféu e voltar à Libertadores. Desde 2008, quando conquistou o hexacampeonato brasileiro, o time do Morumbi venceu somente a Copa Sul-Americana de 2012. O Paulistão, que neste ano será a prioridade máxima do primeiro semestre, a equipe não fatura desde 2005, o maior jejum entre os grandes. Pouco para aquele que se dizia o “soberano” do futebol nacional.

Elenco

A permanência de Rogério Ceni, que pretendia se aposentar em 2013, por mais uma temporada está condicionada à formação de uma equipe forte. Assim, é de se imaginar que o São Paulo terá um elenco bem diferente do atual no ano que vem, embora a diretoria já tenha anunciado que “não fará loucuras” financeiras.

Leia:  Trocas viram solução para São Paulo ter nomes novos em 2014

Com rendimentos abaixo do esperado ao longo do último ano, podem deixar o clube o lateral Clemente Rodriguez, o volante Fabrício, o meia Jadson e os atacantes Osvaldo e Welliton. Aloísio, destaque no segundo semestre, é desejado pelo chinês Shandong Luneng, que será dirigido pelo técnico Cuca, e deverá ser outra baixa para esta temporada.

Por outro lado, a equipe do Morumbi já acertou a contratação do lateral Luís Ricardo, ex-Portuguesa. O time terá novamente o também lateral Henrique Miranda, que retorna de empréstimo.

Alguns nomes de peso, como o volante Willians, do Internacional, o meia Zé Roberto, do Grêmio, e o atacante Rafael Sóbis, do Fluminense, são sondados como possíveis reforços. Além deles, o meia Bruno Henrique, que se destacou em 2013 pela Portuguesa, os laterais Carlinhos, do Flu, e Fabrício, do Inter, o volante Jucilei, ex-Corinthians e hoje no russo Anzhi, e o meia Hugo também podem chegar.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.