Tamanho do texto

Com time rebaixado para a Série B, folha salarial do elenco reduziu de R$ 1,5 milhão para cerca de R$ 450 mil

Em 2013, a Ponte Preta viveu a expectativa de conquistar o título mais importante de sua história centenária, ao chegar, de maneira inédita, na final da Copa Sul- Americana. Porém, a derrota pra o Lanús pelo placar agregado de 3 a 1, fez com que a equipe rapidamente voltasse a planejar a próxima temporada com os pés no chão. O rebaixamento para o Campeonato Brasileiro da Série B faz o time campineir projetar e orçar de maneira mais contida. Panorama que foi apresentado e explicado pelo presidente do clube, Márcio Della Volpe.

"Infelizmente vivemos agora outra situação financeira e temos que nos adaptar a ela, já que em termos de cotas, principalmente, teremos uma queda de 75% de receitas. No entanto, estamos montando um time forte dentro de nossas condições, pois nosso objetivo em 2014 é voltar a Série A. O foco do ano que vem é este: subir de volta à elite", ressaltou Della Volpe.

A folha salarial do elenco ponte-pretano reduziu de R$ 1,5 milhãopara cerca de R$ 450 mil. Motivo que fez a diretoria procurar reforços de menor valor, que atuaram nas divisões inferiores do futebol. É o caso do zagueiro Ricardo Silva, também conhecido como Potiguar, que defendeu o Ceará no Campeonato Brasileiro da Série B, e o meia Tchô, que conseguiu o acesso à elite nacional com o Figueirense.

Os comandados de Sidney Moraes estreiam no Campeonato Paulista no dia 18, sábado, às 17 horas, diante do Ituano, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. A Ponte Preta está no Grupo C, ao lado de Paulista, Portuguesa, Santos e São Bernardo.