Tamanho do texto

Brunoro diz que nem pensa em adiantar a conversa com o zagueiro enquanto ele estiver vinculado ao rival

O Palmeiras quer Lúcio, mas só quando o jogador estiver livre no mercado. O diretor executivo José Carlos Brunoro informou que não pode nem pensar em adiantar as conversas com o zagueiro enquanto ele ainda estiver vinculado ao São Paulo porque o valor de sua liberação é inviável.

Mercado da bola: veja o entra e sai de atleta e os boatos que envolvem seu clube

"Essa possibilidade só existe a partir do momento que o Lúcio ficar desvinculado do São Paulo. O Palmeiras não pode nem pensar antes disso. Ele tem uma situação contratual bastante difícil", disse o dirigente à rádio Bandeirantes .

Leia mais: Palmeiras descarta Elano, espera Bruno César e mira Ronaldinho

A preocupação de Brunoro é não ser cobrado por uma negociação que ainda não está nas mãos do clube. "Não adianta alimentar expectativa ou criar qualquer situação enquanto o Lúcio não vier ao mercado e disser que está livre. Tudo depende muito disso e, mais para a frente, da parte financeira", antecipou.

O Palmeiras tentou trazer Lúcio no ano passado, quando ele já assinava com o São Paulo, mas o então presidente Arnaldo Tirone não tinha aval do COF (Conselho de Orientação e Fiscalização) para lhe oferecer um salário que competisse com o do rival. Agora, além de se desvincular do clube do Morumbi, o zagueiro terá que aceitar receber menos e provar que seus problemas disciplinares não se repetirão em 2014.

Lúcio ficou impedido, inclusive, de treinar nas dependências do São Paulo nos últimos meses. Embora tenha contrato até o final do próximo ano, o zagueiro foi punido por desrespeitar os técnicos Ney Franco e Paulo Autuori e nem teve chance de trabalhar com Muricy Ramalho. É possível que nem precise se apresentar com o elenco em janeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.