Tamanho do texto

Presidente Mohamed Boudrika quer passar boa impressão do futebol marroquino

Com camisa de Ronaldinho, Kouko Guehi, celebra a vitória do Raja
Christophe Ena/AP
Com camisa de Ronaldinho, Kouko Guehi, celebra a vitória do Raja

O Raja Casablanca escreveu o nome na história do futebol ao bater o Atlético-MG por 3 a 1 e garantir vaga na final do Mundial de Clubes. O sentimento entre jogadores e até o presidente do clube, obviamente, não poderia ser outro e o país vive momento de festa por estar frente a frente com o Bayern de Munique na decisão de sábado, às 17h30 (de Brasília).

Deixe o seu recado e comente com os outros leitores

"É um grande feito ser a primeira equipe árabe a chegar à final do Mundial de Clubes. O importante é passar uma boa imagem do futebol marroquino", celebrou o mandatário alviverde, Mohamed Boudrika em entrevista à agência Efe . Mais tarde, o presidente do Marrocos, Abdelilah Benkirane parabenizou a equipe pelo feito em Marrakesh.

Autor do primeiro gol da partida contra o clube mineiro, o atacante Mouhssine Iajour também valorizou a importância do resultado conquistado na última quarta-feira para a autoestima da população do Marrocos: "Estávamos confiantes e determinados a alegrar o público marroquino. Havia muita concentração e harmonia no vestiário".

Se o presidente e Iajour preferiram dedicar a vitória aos marroquinos, Vivien Mabide não escondeu a felicidade por fazer parte de um momento ímpar na história do futebol africano. Nascido na República Centro-Africana, o atacante anotou o terceiro gol do jogo e pôde realizar um sonho ao enfrentar Ronaldinho Gaúcho, a quem havia feito críticas antes da partida.

Após o apito final, no entanto, Mabide esqueceu que havia colocado o Ronaldinho do Galo como muito inferior ao do Barcelona e partiu em direção ao craque para abraça-lo e coletar relíquias. Em entrevista ao canal SporTV , o jogador se rendeu ao talento do atleticano.

"É uma história que vou contar para os meus filhos. Poderei falar para eles que joguei contra um grande profissional, contra alguém que já foi considerado o melhor do mundo (em 2004 e 2005). Depois da partida consegui pegar a chuteira e vou colocar em uma vitrine. É uma grande lembrança pra mim porque sempre fui fã desse jogador", vibrou.