Tamanho do texto

Apesar da globalização imposta pela Fifa desde que atual formato foi adotado em 2005, decisão do melhor time ainda se resume em confronto entre América do Sul e Europa

O Mundial de Clubes da Fifa está sendo realizado desde a semana passada no Marrocos. Mas é somente a partir desta terça-feira, quando o campeão europeu e grande favorito Bayern de Munique entra em campo, que o torneio ganha o status de principal competição entre times no planeta. Na quarta, será a vez do Atlético-MG , representante brasileiro e sul-americano.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Bayern de Munique ergue taça da Liga dos Campeões
Getty Images
Bayern de Munique ergue taça da Liga dos Campeões

Apesar da globalização imposta pela Fifa desde que o atual formato foi adotado em 2005, a decisão do melhor time ainda se resume em um confronto entre América do Sul e Europa. A única exceção até agora foi em 2010, quando o Mazembe, da República Democrática do Congo, surpreendeu o Internacional na semifinal. Nas demais disputas, o resultado nunca foi diferente do que era antes de ter a chancela da entidade que rege o esporte mundial.

Leia mais: Admitindo favoritismo, Bayern encara o Guangzhou por uma vaga na final

E é nessa escrita que Bayern e Atlético-MG apostam para protagonizarem a final do próximo sábado. Os alemães têm duas títulos da época em que a Fifa ainda não organizada a disputa e disputam pela primeira vez nesta fórmula. Como todos os europeus, a equipe de Pep Guardiola precisa provar sua motivação. Na estreia, encaram o Guangzhou Evergrande, da China.

“O Mundial de Clubes é nosso objetivo final no ano. Tivemos muito sucesso ao longo dos últimos 12 meses e queremos terminar 2013 em alta. Estas partidas entre os melhores times de cada continente nos dão a chance de mostrar que realmente somos a equipe número um. É nisso que estamos mirando”, falou o goleiro Manuel Neuer ao site oficial da Fifa.

Já os brasileiros do Atlético-MG nem precisam explicar que o Mundial é a principal competição da história do clube. Campeão da Libertadores pela primeira vez em 2013, o time vê a chance de se consagrar internacionalmente. Para tal, conta com uma estrela que já conhece esta competição: Ronaldinho estava no Barcelona que acabou como vice ao perder para o Internacional em 2006.

“Tenho certeza de que será o campeonato do Ronaldinho. Motivação é a palavra. Ele ficou dois meses sem jogar e na última rodada do Brasileirão a gente viu o absurdo que ele fez em campo. ele está concentrado, motivado. Ele vai ser protagonista mais uma vez”, afirmou o goleiro Victor.

O rival atleticano será o marroquino Raja Casablanca. Dono da casa, o time tem a chance de repetir o Corinthians de 2000 e ser a segunda equipe anfitriã a chegar na final. Vale lembrar que há 13 anos, na primeira tentativa de se fazer uma competição com clubes de todos os continentes, o modelo de disputa era diferente do atual.

A Fifa permitiu a participação de dois times do Brasil, país-sede daquela edição, e Corinthians e Vasco acabaram chegando à final, com os paulistas levando a melhor. A decisão caseira, somada ao desinteresse dos europeus Real Madrid e Manchester United, fez a entidade máxima admitir que a fórmula escolhida na ocasião não foi a melhor.

    Leia tudo sobre: bayern de munique
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.