Tamanho do texto

Fábio Koff elogia ex-treinador do time e diz que não renovou o contrato por questões financeiras. Segundo ele, Gaúcho não aceitou a diminuição salarial

Fabio Koff elogia Renato Gaúcho e diz que não renovou por questões financeiras
Lucas Uebel/Divulgação Grêmio
Fabio Koff elogia Renato Gaúcho e diz que não renovou por questões financeiras

A saída do técnico Renato Gaúcho em nada abalou a boa relação dele com o presidente Fábio Koff. Na coletiva de apresentação do técnico Enderson Moreira, o mandatário do Grêmio elogiou o trabalho do agora ex-treinador gremista e explicou que sua permanência ficou inviável por questões de necessidade financeira do clube, que desejava reduzir os vencimentos de Renato, que rejeitou a ideia.

Deixe o seu recado e comente com os outros leitores

"Quero deixar registrado publicamente o reconhecimento do trabalho do Renato, fruto do seu temperamento, valentia e coragem de assumir o Grêmio após a 5ª rodada do Campeonato Brasileiro. Algumas questões de relevância não puderam ser superadas, mas o meu apreço pessoal por ele só aumentou. Questões do momento do clube é que fizeram com que nos separássemos", disse Koff.

O presidente do Grêmio também explicou o porquê da contratação de Enderson Moreira para substituir o eterno ídolo na casamata: "ele se alinha na nossa concepção de futebol, fundamentada no aproveitamento de jovens das categorias de base. Fez isso nos clubes onde passou, e esta é a sua origem na atividade profissional", lembrou Koff.

Antes de passar a palavra para Enderson, Fábio Koff se dirigiu diretamente ao novo técnico gremista: "seja bem-vindo, professor Enderson. O Grêmio é um clube grande, abriga mais de 8 milhões de torcedores e tem uma das histórias mais lindas do futebol brasileiro".

O presidente aproveitou para demonstrar confiança quanto às chances da equipe na Libertadores: "dizem que o Grêmio não teve sorte no sorteio da Libertadores, mas quem não teve foram os adversários do Grêmio. Podem ter certeza disso", finalizou Koff. Na competição continental, a equipe gaúcha caiu no chamado "grupo da morte", com Newell’s Old Boys, Atlético Nacional e o vencedor do confronto entre Nacional-URU e Oriente Petrolero.