Tamanho do texto

Clube paulista foi considerado culpado por escalar o meia Héverton de forma irregular na última rodada do Brasileirão e foi rebaixado; decisão é passível de recurso

O presidente da Portuguesa Manoel da Lupa afirmou ter ouvido que o julgamento do clube no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) já estava decidido antes mesmo de ocorrer. O dirigente, que lamentou a sentença que condenou o time do Canindé a perder quatro pontos pela escalação irregular do meia Héverton na última rodada do Brasileirão, falou que sabia que a votação dos auditories "ia ser 4 a 1 ou 5 a 0".

LEIA:  Portuguesa é condenada, perde pontos e está na Série B de 2014; Flu se salva

"Em 2010 era imoral tirar o título do Fluminense. Por que agora não é imoral rebaixar a Lusa? A gente fica desiludido pela decisão, mas temos que entender, usar o departamento jurídico e recorrer", afirmou da Lupa em entrevista ao SporTV.

"A Portuguesa vai até o fim. Nós não temos muita esperança, ouvi ali dentro que ia ser 4 a 1 ou 5 a 0. Se vai para a Justiça comum ou não, não sei. Quem tem direito vai correr atrás", completou o presidente da Portuguesa.

Com a condenação em primeira instância, a Lusa terá de jogar a Série B em 2014. O clube foi considerado culpado por escalar o meia Héverton de forma irregular na última rodada do Brasileirão e punido com a perda de quatro pontos. Assim, cai de 48 pontos para 44 na classificação do campeonato, o que o derruba para a 17ª posição. O Fluminense, que estava na zona de rebaixamento, subiu para o 16º lugar e permanece na elite no ano que vem.

João Zanforlim, advogado que defendeu a Portuguesa, fez uma comparação inusitada sobre a decisão do STJD: "São necessários equilíbrio e dosimetria. Para matar a pulga do cachorro, mataram o cachorro. É terrível, uma dose exagerada", afirmou.

A decisão foi unânime por parte dos auditores do STJD. O clube foi denunciado no artigo 214 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), que fala “incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida, prova ou equivalente”.

A sentença do STJD é passível de recurso e o time do Canindé já apresentou pedido de revisão. O Pleno da entidade desportiva irá analisar o caso no dia 27 de dezembro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.