Tamanho do texto

Responsável por máquina que provocou acidente e morte de dois operários da Arena Corinthians trabalhou por mais de duas semanas seguidas

Luiz Antônio Medeiros, superintendente regional do Ministério do Trabalho, visitou Itaquera nesta terça
PETER LEONE/FUTURA PRESS
Luiz Antônio Medeiros, superintendente regional do Ministério do Trabalho, visitou Itaquera nesta terça

O Ministério do Trabalho esteve nesta terça-feira na Arena Corinthians, em Itaquera, e informou que o operário José Walter Joaquim, de 56 anos, responsável pela operação do guindaste que quebrou e matou dois operários no dia 27 de novembro completou 18 dias seguidos de trabalho sem folga no dia do fatalidade.

Deixe seu comentário para esta notícia

Segundo Luiz Antônio Medeiros, superintendente regional do Ministério do Trabalho, ainda não é possível dizer se havia um acordo para que Joaquim trabalhasse todos esses dias sem folga ou que há irregularidade nesta relação trabalhista, mas que é possível comprovar sua presença na obra nesses dias pelo relógio de ponto da obra. 

Procurada pelo iG , a Odebrecht enviou nota oficial. "Durante o período relatado pelo Superintendente do Ministério do Trabalho e Emprego de São Paulo, o operador do guindaste ficou, na maior parte do tempo, em área designada aguardando a liberação da peça para o içamento. No domingo que antecedeu o ocorrido, o operador não trabalhou. O referido equipamento de grande porte foi contratado para a realização dos grandes içamentos da estrutura metálica da cobertura da arena, sendo que esses trabalhos nunca são contínuos", diz a nota.

Na última semana a empresa entregou ao Ministério do Trabalho alguns documentos que alega atestarem a segurança dos guindastes usados na obra.

Joaquim era contratado da Locar, uma empresa terceirizada pela Odebrecht e responsável pelo guindaste que cedeu e provocou o acidente de duas semanas atrás. Em depoimento à polícia, o operador negou que tenham cometido algum erro na operação que colocava uma peça de 450 toneladas para fechar a cobertura do estádio. 

Era a 38ª e última vez que esse tipo de procedimento era realizado, sempre com Joaquim como operador. Uma peça de igual proporção foi instalada uma semana antes do acidente no setor Sul do estádio.