Tamanho do texto

João Bosco Luz foi alvo de protestos da torcida após a derrota para o Santos na última rodada do Brasileiro que acabou com chances de ida à Libertadores

João Bosco Luz, presidente executivo do Goiás
Site oficial
João Bosco Luz, presidente executivo do Goiás

O Goiás foi goleado pelo Santos por 3 a 0, no Serra Dourada, na última rodada do Campeonato Brasileiro e não conseguiu a tão sonhada vaga para a Libertadores. A torcida, irritada, jogou objetos em campo, reclamou de alguns jogadores e xingou o presidente, João Bosco Luz, que estava assistindo ao jogo nas tribunas. Chateado, o mandatário garantiu que, depois do ocorrido, não vai continuar no clube em 2014.

"O meu mandato termina em 31 de Dezembro e eu passo o bastão. Não tem nenhuma hipótese. Eu até estava querendo a ficar, mas depois do que vi a torcida fazer no domingo, eu não fico. Estou muito magoado. Você fica em sexto lugar no Brasileiro, fica entre os quatro melhores da Copa do Brasil e é verbalmente agredido como eu fui, isso não tem preço que paga", lamentou João Bosco.

O presidente disse que ainda não compreendeu o que se passou com a equipe na reta final da disputa, mas negou qualquer possibilidade de que tenha sido "corpo mole" por parte de alguns jogadores que já estariam negociando com outras equipes.

"Eu não acredito que tenha sido falta de comprometimento de um ou de outro, mesmo porque a premiação que havíamos prometido para chegar à Libertadores era ótima. Foi por questão física, por questão técnica. Infelizmente não conseguimos o objetivo", finalizou.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.