Tamanho do texto

PM só agiu depois de iniciado o confronto. Recomendação do Ministério Público de Santa Catarina foi para que não houvesse polícia dentro do estádio

Torcedor do Atlético-PR é resgatado após ser espancado em confronto com vascaínos
JOKA MADRUGA/FUTURA PRESS
Torcedor do Atlético-PR é resgatado após ser espancado em confronto com vascaínos

Fernando Krelling, presidente da Fundação Municipal de Esportes, Lazer e Eventos de Joinville e responsável pela Arena Joinville, afirmou que o Atlético-PR sabia que a Polícia Militar não estaria presente dentro do estádio durante a partida contra o Vasco, pela última rodada do Campeonato Brasileiro, que gerou uma briga generalizada entre torcedores uniformizados.

Deixe seu comentário para esta notícia

Fernando disse que a responsabilidade pela segurança era do s paranaenses. "Toda a logística era de responsabilidade do Atlético, a contratação da policia, da segurança particular. Houve uma reunião sexta-feira e foi informado que não haveria policia dentro do estádio (por determinação do Ministério Público, a polícia só atua na área externa em Joinville)", disse, em entrevista à "ESPN Brasil".

Árbitro de Atlético-PR x Vasco admite não saber quem iniciou tumulto

Durante o confronto entre as torcidas uniformizadas do Atlético-PR e do Vasco, os seguranças particulares contratados pelo clube mandante não interviram, mesmo porque estavam em número muito inferior comparado aos torcedores. A confusão só foi controlada com a chegada da PM. "O Atlético-PR assinou um contrato de responsabilidades", afirmou Krelling.

Há uma norma em Santa Catarina que proíbe a presença de policiais militares do Estado em eventos particulares como o jogo de domingo. O policiamento foi feito apenas na área externa da Arena Joinville, o que facilitou a ação dos vândalos.

"Fizemos o levantamento e o estádio sofreu pequenas avarias, como um portão quebrado e problemas no banheiro. Vamos entrar em contato com eles (Atlético-PR). O valor pago pelo aluguel foi de R$ 25.400,00", finalizou o responsável.

O prefeito de Joinville, Udo Dohler, também falou sobre o caso. "O Atlético cumpriu com o contrato, mas era desejável que nós tivéssemos segurança da PM. Era indispensável em um jogo como esse a presença da Polícia Militar", afirmou.