Tamanho do texto

Em seu site oficial, torcida Os Fanáticos avisou que a excursão para a cidade catarinense não teria mulheres nem crianças devido ao “alto risco de confrontos”

Membros da torcida organizada Os Fanáticos, do Atlético-PR , já previam a briga contra torcedores do Vasco ocorrida neste domingo, na Arena Joinville. Em seu site oficial, a facção avisou que a excursão para a cidade catarinense não teria mulheres nem crianças devido ao “alto risco de confrontos”.

Acompanhe todos os lances de Atlético-PR e Vasco em tempo real no iG Esporte

“Devido ao alto risco de confrontos na estrada, em consequência do grande número de torcedores de clubes rivais que estarão se deslocando para os jogos da última rodadada, nesta viagem não serão vendidas passagens para mulheres e menores”, escreveu a organizada em nota em seu site oficial.

Veja as imagens da briga de torcedores em Joinville:

Uma briga tomou conta das arquibancadas na partida entre Atlético-PR e Vasco, pela última rodada do Brasileirão 2013. Membros de torcidas organizadas dos dois clubes se enfrentaram e forçaram a paralisação do duelo aos 17 minutos do primeiro tempo.

Os torcedores Esteban Viana, atleticano, e Wiliam Batista e Diogo Cordeiro da Costa, sem equipe identificada, ficaram feridos. A Polícia Militar não estava dentro do estádio devido a uma determinação do Ministério Público de Santa Catarina. O time paranaense vencia por 1 a 0.

LEIA: Sem PM no estádio, briga de torcedores paralisa jogo entre Atlético-PR e Vasco

A confusão começou depois que torcedores do clube paranaense, que estavam na arquibancada na parte lateral do gramado, atravessaram o espaço que os separava dos vascaínos, atrás de um dos gols, e invadiram o setor destinado aos adversários. Um atleticano foi agredido por um grupo de aproximadamente dez cariocas. Caído no chão, foi golpeado na cabeça e ficou desacordado. Mais tarde, ele foi removido do local de helicóptero e levado a um hospital próximo. Outros dois torcedores também acabaram feridos e foram encaminhados ao hospital de ambulância.

O Ministério Público entrou com ação durante a última semana pedindo para que a PM atuasse somente do lado de fora da Arena Joinville. O pedido foi aprovado, e apenas cem seguranças particulares de uma empresa contratada pelo Atlético-PR trabalhavam dentro do estádio na hora da briga. Em meio ao caos, a PM entrou na Arena.