Tamanho do texto

Após primeiro tempo sem gols, time de Campinas sai atrás no marcador, mas busca igualdade no Pacaembu e leva definição da Sul-Americana para a Argentina

Na primeira partida da decisão da Copa Sul-Americana , na noite desta quarta-feira, nenhum time em vantagem. Com dois gols de falta, Ponte Preta e Lanús empataram em 1 a 1 no Pacaembu e aumentaram ainda mais a importância do jogo de volta da próxima quarta-feira, na Argentina.

Quem você acha que será campeão da Copa Sul-Americana? Deixe seu comentário

Fellipe Bastos comemora gol de empate da Ponte Preta
Reginaldo Castro/Gazeta Press
Fellipe Bastos comemora gol de empate da Ponte Preta

O gol do Lanús foi marcado pelo zagueiro Goltz, aos 12 minutos da etapa final, em bela cobrança da intermediária. Fellipe Bastos empatou na mesma moeda, aos 33.

Confira tabela de jogos, artilharia e notícias da Copa Sul-Americana

As equipes voltam a se enfrentar na próxima semana, em La Fortaleza, como é chamado o Estádio Ciudad de Lanús. Novo empate leva a decisão para a prorrogação, já que o gol fora não é critério de desempate na decisão.

O jogo

Empurrada por sua torcida, que cantou incansavelmente e escreveu a sigla AAPP em mosaico na entrada do time em campo, a Ponte Preta começou a partida em busca do primeiro gol. Apesar de tocar bem a bola e chegar em velocidade, a Macaca pouco finalizou e foi obrigada a arriscar chutes de longa distância, sem eficiência.

Do outro lado, o Lanús apostava nos lançamentos longos para Santiago Silva disputar pelo alto, sem efeito. Aos poucos, porém, a equipe argentina se encontrou na partida e passou a marcar a saída de bola da Ponte, impedindo que ela seguisse imprimindo seu ritmo.

Rildo tenta o domínio da bola pela Ponte Preta
FERNANDO DANTAS / Gazeta Press
Rildo tenta o domínio da bola pela Ponte Preta

O domínio aparente do Lanúns, no entanto, fez com que a Macaca passasse a atuar do jeito que gosta: no contra-ataque, aproveitando os erros do adversário. Em um vacilo de González, Fellipe Bastos partiu em velocidade e optou pela jogada individual. Na hora de chutar com a canhota, porém, o meia preferiu a força ao jeito e mandou em cima do goleiro Marchesin.

O lance animou a Ponte, que voltou a levar perigo nos minutos seguintes. Primeiro, Elias chutou da entrada da área e a bola saiu à esquerda do gol. Depois, Cesar arriscou-se no ataque mais um contra-golpe puxado por Rildo, mas bateu em cima de Marchesin.

A partir daí, o Lanús ajustou sua marcação e voltou a ter a posse de bola no campo de ataque. Após ter finalizações travadas pela defesa alvinegra em duas oportunidades, o time argentino teve a sua melhor oportunidade em contra-ataque no minuto final da primeira etapa.

Após receber livre na esquerda, Pereyra passou pela marcação e tocou para o meio. Livre na segunda trave, Santiago Silva bateu com o lado de fora do pé e chutou à direita do gol vazio. A torcida da Ponte, que já havia se calado esperando a comemoração argentina, respirou aliviada.

O segundo tempo começou movimentado. Aos sete, mais um contra-ataque da Ponte terminou em forte chute de Elias defendido por Marchesin. Na sobra, Leonardo errou o domínio, mesmo não tendo notado que o bandeira assinalava posição irregular no lance.

Se o gol teimou em não sair em lances de bola rolando, o Lanús aproveitou uma falta desnecessária na intermediária para abrir o placar aos 12 minutos. Com a categoria de um meia, o zagueiro Goltz cobrou sem chances de defesa para o goleiro Roberto, que ia para o outro lado.

O gol abalou a Ponte, que teve como principal chance nos minutos seguintes uma bola chutada para trás por Pereyra que quase entrou no ângulo do próprio gol. Cinco minutos após o gol, Goltz cabeceou forte e obrigou Roberto a fazer grande defesa.

Apática, a Ponte errou muitos passes e pouco criou após sair em desvantagem, diminuindo a animação dos pouco mais de 28 mil torcedores nas arquibancadas do Pacaembu. Satisfeito com o resultado, o Lanús recuou e passou a parar o jogo com faltas.

Em uma delas, ignorada pelo árbitro e marcada pelo assistente, Fellipe Bastos deu o troco na mesma moeda e empatou o jogo em cobrança sem chances para Marchesin. Festa do meia e da torcida alvinegra, que demonstrava nervosismo nas arquibancadas.

O gol animou a Macaca, que ainda tinha dez minutos para buscar a virada. Aos 40, o mesmo Fellipe Bastos mostrou estar com o pé calibrado e cobrou nova falta no travessão. No rebote, Leonardo tentou chapéu e perdeu boa oportunidade.

Este foi o último bom lance da partida. Nos minutos finais, ambos os times mostraram receio em arriscar e deixar espaços para o contra-ataque e o jogo ficou truncado no meio-campo.

FICHA TÉCNICA -  PONTE PRETA 1 X 1 LANÚS

Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 4 de dezembro de 2013, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Roberto Silveira (do Uruguai)
Assistentes: Marcelo Costa e Maurício Espinoza (ambos do Uruguai)
Público: 28.477 pagantes
Renda: R$ 589.375,00
Cartões Amarelos: Diego Sacoman, Fernando Bob, Artur e Uendel (Ponte Preta); González, Pereyra, Isquierdoz e Velázquez (Lanús)

PONTE PRETA: Roberto; Artur, César, Diego Sacoman e Uendel; Baraka, Fernando Bob (Adailton), Fellipe Bastos e Elias (Magal); Rildo (Chiquinho) e Leonardo
Técnico: Jorginho

LANÚS: Marchesín; Carlos Araújo, Goltz, Izquierdoz e Maximiliano Velázquez; Diego González (Barrientos), Leandro Somoza e Pereyra (Benítez); Jorge Ortíz, Lucas Melano (Ayala) e Santiago Silva
Técnico: Guillhermo Schelotto