Tamanho do texto

Treinador diz que equipe pernambucana, já rebaixada para a Série B do Brasileiro, não conseguiu repetir o bom desempenho da etapa inicial

Para o técnico Marcelo Martelotte, a queda no rendimento na etapa complementar foi o principal fator que levou o Náutico à derrota para o Criciúma neste domingo, por 1 a 0, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Acho que basicamente o que faltou foi repetir o bom primeiro tempo. Tivemos boas chances na primeira etapa e não aproveitamos. Entendo que o resultado foi injusto pelo que apresentamos. Fiquei mais triste com essa derrota do que com as outras, principalmente pelo momento ruim do time adversário", explica.

A derrota, oitava consecutiva na competição, garantiu matematecamente ao Náutico a lanterna desta edição do Brasileirão. Mesmo assim, o técnico diz que não se arrepende de ter aceitado comandar o time.

"Não me arrependi. Eu não costumo me arrepender de nada. Sabia do desafio que era grande. Não se poderia prever que o Náutico sairia da zona de rebaixamento quando cheguei como também não se podia imaginar que não venceríamos oito partidas seguidas. Desde que cheguei, deixamos claros que tínhamos alguns objetivos que não estavam ligados diretamente aos resultados", afirma o treinador.

Confira a classificação atualizada, artilharia e notícias do Brasileirão

Martelotte também disse não saber se continua no comando do Náutico no próximo ano, principalmente pela possível troca na diretoria da equipe. O clube alvirrubro terá eleições em dezembro, para definir o presidente do biênio 2014-2015.

"O trabalho vai ter que ser começado e depende de quem vai comandar. Não vou me envolver na parte política. Meu futuro com o Náutico está definido até o dia 10 de dezembro, que é quando termina meu contrato. Estou tranquilo até porque no dia 15, no dia da eleição, eu não vou ser mais funcionário do Náutico. Para voltar, tem que haver um novo convite. Na última reunião com o presidente, ele me colocou que eu iria até o fim da competição. Futebol é assim. Do mesmo jeito que um novo presidente pode procurar um novo treinador, eu posso ter um contato com outra equipe depois do dia 10", declara.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.