Tamanho do texto

São Paulo sofreu com falhas da zaga, mas conseguiu derrotar Vitória por 3 a 2 no Morumbi e sair de forma provisória da zona de rebaixamento do Brasileirão

Zagueiro Antônio Carlos marcou duas vezes no triunfo do São Paulo contra o Vitória
Rubens Chiri/Divulgação
Zagueiro Antônio Carlos marcou duas vezes no triunfo do São Paulo contra o Vitória

Apesar de ter derrotado o Vitória por 3 a 2 e deixado provisoriamente a zona de rebaixamento, o São Paulo segue com problemas para resolver no Campeonato Brasileiro. O sistema defensivo voltou a apresentar falhas nos dois gols dos baianos no Morumbi. Mas, na opinião do técnico Muricy Ramalho, a culpa não é somente dos zagueiros.

Confira a classificação e os próximos jogos do Campeonato Brasileiro

"Não é problema da defesa, é do time todo. Às vezes o time não defende bem porque lá na frente não marca. Hoje é fundamental marcar adiantado e não deixar jogar. Vi o Barcelona contra o Valladolid (4 a 1) e foi uma lição de jogar adiantado e sufocar o adversário. É treinamento, jogadores aptos para isso, porque têm condicionamento", afirmou Muricy, que apontou a solução para corrigir as deficiências do grupo.

"Fica difícil analisar sistema de jogo sem treinar. Só fiz trabalho de posicionamento para esse jogo porque era a única coisa que dava. Carece um pouco de jogar mais junto, não tem treinamento, não tem nada. Não sei que futebol é esse que estamos jogando. Vai ver é por isso que o nivel é baixo. Ninguém descansa, não temos controle, o jogador nunca está preparado", reclamou o treinador.

LEIA:  Com gol no fim, São Paulo bate o Vitória no sufoco e deixa zona de rebaixamento

Mas nem tudo foi críticas depois do triunfo do último sábado. Ainda em busca de um parceiro ideal para Luis Fabiano no ataque, o comandante são-paulino elogiou a atuação do jovem Ademilson, que jogou próximo do camisa 9.

"Tentei fazer aproximar alguém. Estou procurando um parceiro para ele (Luis Fabiano), para dividir as atenções. Ficam dois zagueiros nele, um pegando e um na sobra. Com dois caras abertos ele ficava muito isolado, você olhava para a área e só chegava um", explicou Muricy.

"Coloquei o moleque (Ademilson) para chegar mais próximo e ele foi bem até um bom tempo, mas depois cansou por estar sem jogar e ter entrado numa fogueira", analisou o treinador, que já testou Osvaldo, Welliton e Aloísio na função.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.