Tamanho do texto

Equipe tricolor derrotou a Ponte Preta na reestreia do treinador no clube; apenas Vicente Feola e José Poy venceram mais partidas em toda a história

Luis Fabiano fez o gol da vitória do São Paulo sobre a Ponte Preta na reestreia de Muricy
SERGIO BARZAGHI / Gazeta Press
Luis Fabiano fez o gol da vitória do São Paulo sobre a Ponte Preta na reestreia de Muricy

A primeira vitória de Muricy Ramalho em sua volta ao comando do São Paulo foi também um recorde. O placar de 1 a 0 sobre a Ponte Preta na noite da última quinta-feira conferiu ao treinador seu triunfo de número 198 à frente do clube do Morumbi, igualando a marca registrada por Telê Santana.

Acha que Muricy irá tirar o São Paulo da crise? Deixe seu comentário

O “velho mestre”, como era conhecido Telê, dirigiu o time tricolor em duas oportunidades: em 1973 e entre 1990 e 1996. Somando as duas, disputou 412 partidas, vencendo 198. Foram ainda 122 empates e 92 derrotas, o que dá um aproveitamento de 57,9% dos pontos.

Muricy afirma nem ousar se comparar a seu tutor no São Paulo, mas ostenta números melhores. Em suas três passagens pelo Morumbi, o atual técnico comandou a equipe em 365 jogos. Além das 198 vitórias, ele ostenta 101 empates e 66 tropeços. O aproveitamento é de 64%.

LEIA:  Empurrado por Muricy, São Paulo bate Ponte Preta e respira no Brasileirão

"Não tinha ideia disso. Igualar Telê em alguma coisa é um absurdo, porque o Telê é um dos melhores de todos os tempos, um ídolo. Não dá para imaginar, não sabia mesmo. Muito legal e tudo, mas estou longe de ser o que foi o Seu Telê Santana", afirmou o treinador. Apenas Vicente Feola, com 299, e José Poy, 213, possuem mais triunfos como técnico no São Paulo.

A emoção pelo retorno ao time paulista era tanta, que Muricy soltou até um "tomara" quando questionado se pretende encerrar sua carreira ali.

"Tomara. No passado, a gente tinha intenção até de bater o recorde ou de acompanhar o Seu Telê. Ele estava formando um técnico para entrar no lugar dele, e fui o cara escolhido. Tentei ficar os cinco anos que ele ficou. Cheguei perto, três anos e meio. É minha intenção", admitiu o são-paulino.

O técnico do São Paulo ainda agradeceu a recepção calorosa da torcida na volta ao time e analisou o 1 a 0 diante da Ponte Preta. Assista à entrevista coletiva com o treinador:


*com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.