Tamanho do texto

Esquerdinha evitou um gol do Tupi que daria a vaga nas quartas de final da Série D para o time mineiro

O massagista Esquerdinha, do Aparecidense, que evitou um gol do Tupi no final da partida
Reprodução/TV Globo
O massagista Esquerdinha, do Aparecidense, que evitou um gol do Tupi no final da partida

Após evitar gol do Tupi e garantir classificação da Aparecidense as quartas de final do Campeonato Brasileiro da Série D, o massagista Esquerdinha ganhou destaque no noticiário esportivo em território nacional. E, em entrevista ao canal Fox Sports , nesta segunda-feira, o funcionário do clube goiano mostrou arrependimento pelo lance e revelou que tem recebido ameaças de morte.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Estão ligando para o celular de minha mulher em Minas Gerais e falando que vão me matar. Estou correndo risco", afirmou o massagista. "Reconheço que fiz algo errado. Não faria de novo, me arrependo pela decisão", completou.

Em busca de um lugar nas quartas de final do torneio nacional, Aparecidense e Tupi empataram por 1 a 1 no primeiro confronto, no último dia 31 de agosto. Na partida deste sábado, os clubes marcavam 2 a 2 no placar quando Esquerdinha, aos 44 minutos, entrou em campo e evitou gol adversário em dois lances consecutivos. Na sequência, o massagista sofreu tentativa de agressão dos adversários e correu para o vestiário do Estádio Municipal Radialista Mário Helênio.

"É verdade. Depois eu percebi que havia feito a coisa errada e que o bicho pegaria. Falaram que me matariam, aí fiquei com medo. Pedi ao roupeiro para me trancar dentro de um baú e não falar a ninguém que eu estava lá dentro. Agora é só ameaça de morte", explicou.

Através de comunicado oficial, o Tupi definiu o episódio como "um dos mais vergonhosos da história do futebol brasileiro" e decidiu tentar obter classificação para fase seguinte na Justiça. A Aparecidense, por sua vez, aguarda definição das datas e horários para confronto com Mixto-MT, pelas quartas de final da quarta divisão nacional.

"Foi um ato que não foi programado por ninguém. Quem deve ser punido sou eu. Estou arrependido", destacou. "O que precisa ser analisado é que essa é minha profissão, eu e minha família dependemos dela. Peço desculpas aos torcedores, jogadores e dirigentes do Tupi", encerrou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.