Tamanho do texto

Time carioca visitou o líder do Campeonato Brasileiro neste domingo e saiu do Mineirão derrotado por 1 a 0

Mano Menezes, técnico do Flamengo
Fabio Castro/Agif/Gazeta Press
Mano Menezes, técnico do Flamengo

O Flamengo entrou no gramado do Mineirão neste domingo com a ingrata tarefa de tentar parar o líder Cruzeiro na 19ª rodada do Campeonato Brasileiro . Com postura defensiva e atuação apática, o time foi dominado na maioria do tempo e foi derrotado por 1 a 0. Para Mano Menezes, o revés tem uma única e simples explicação.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"O Cruzeiro é melhor que o Flamengo hoje e a dificuldade que tivemos foi em função disso. Os jogadores se doaram, fizeram o que pedi taticamente, mas não começamos bem, não conseguimos trocar três passes. Quando isso acontece, você sofre mais. Existe uma diferença entre as equipes", analisou o técnico.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

Reconhecendo a estratégia de privilegiar a marcação para frear o ataque adversário, Mano lembrou que até arriscou alterações durante a partida para ganhar mais ofensividade. Na metade do segundo tempo, o comandante flamenguista sacou o volante Victor Cáceres e o meia Gabriel para as entradas dos meias Bruninho e Carlos Eduardo.

A dupla, porém, não conseguiu alterar o panorama da partida e os atacantes continuaram isolados entre os zagueiros cruzeirenses. Apesar da frustração pela falha das tentativas, Mano lembra que não é preciso crucificar os jogadores pelo tropeço, já que o adversário tem um dos elencos mais completos e é o líder do campeonato.

"Quando sofremos o gol, tentei deixar o time mais ousado, mas a bola não chegou com a qualidade. Eles não deixaram e nós não tivemos competência. Temos que evoluir muito, mas o resultado é normal. O que não foi normal foi domingo passado", sentenciou, recordando a goleada por 4 a 0 para o Corinthians.

Veja imagens dos jogos deste domingo pelo Brasileirão

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.