Tamanho do texto

Comissão de clubes e ex-jogadores vai obrigar entidade a explicar desvios em cotas de TV

O ex-presidente do Corinthians , Andrés Sanchez, organizou reunião nesta quarta-feira, no Parque São Jorge , para apresentar uma comissão de clubes e ex-jogadores para investigar eventuais desmandos da Conmebol. Em sua apresentação, Sanchez defendeu que os clubes mais insatisfeitos deixem de participar da Libertadores.

Romário e Maradona apontam corrupção e chamam clubes para peitar a Conmebol

"Está sendo montada uma comissão de clubes, ex-atletas e algumas associações para mostrar o que precisa ser exposto. Ir a Conmebol e exigir todas as mudanças necessárias. A principio, a ideia é dialogar e exigir melhorias. Entretanto, pode chegar aquilo que foi falado, de não disputar algum campeonato", disse Andrés, que foi presidente do Corinthians entre outubro de 2007 e dezembro de 2011. 

Sanchez contou com o apoio de ex-jogadores de renome como Diego Maradona, Enzo Francescoli, Romário, Careca e José Luiz Chilavert. Foram apresentados relatórios que apontam desvios de dinheiro e contratos mal negociados entre a entidade e emissoras de TV. 

Veja também: Reunião na sede do Corinthians teve Maradona, Romário e outros

“O que foi demonstrado aqui é uma vergonha. Não imaginava que existisse uma instituição mais corrupta que a Fifa e a CBF, mas encontrei. A Conmebol é muito pior do que a gente imagina. Chegou a hora de ex-jogadores e representantes de grandes clubes fazer valer o que é certo, justo e sério”, disse Romário, sem esmiuçar o que chamou de vergonha.

Francescoli e Chilavert no Parque São Jorge
Fernando Dantas/Gazeta Press
Francescoli e Chilavert no Parque São Jorge

Mais de 20 representantes de clubes de Brasil, Paraguai, Equador, Venezuela, Peru e Bolívia estiveram presentes. Do Brasil, apenas o Corinthians tinha representante. José Carlos Peres, dirigente do G-4, que reúne São Paulo, Palmeiras, Santos e Corinthians também esteve presente. 

"A Libertadores do que jeito que está não dá para continuar. Os clubes receberem muito pouco para jogar esses torneios continentais. Haverá uma reunião em dois ou três meses para ver o que será feito", disse Sanchez.

Entre os clubes que apoiam Sanchez estão Peñarol (Uruguai), Nacional (Uruguai), LDU (Equador), Libertad (Paraguai), Caracas (Venezuela), Sporting Cristal (Peru) e Bolívar (Bolívia). O Zamora (Venezuela) foi representado por seu presidente, Adelis Chávez, irmão do ex-presidente do país, Hugo Chávez, morto neste ano. 

"O futebol é feito pelos clubes e seus jogadores. Não pode ser refém de alguns poucos como na Conmebol. É preciso revolucionar e este aqui é um primeiro passo", disse Eduardo Ache, presidente do Nacional. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.