Tamanho do texto

Time paulista fica atrás no placar duas vezes, mas consegue buscar igualdade e mantém vantagem de dois pontos sobre a Chapecoense na tabela da Série B

A recuperação do Palmeiras após a apática atuação que eliminou o time da Copa do Brasil não veio neste sábado. O time de Gilson Kleina sofreu para alcançar empate por 2 a 2 com o Ceará e atingiu sua terceira partida consecutiva sem vencer - a primeira nesta sequência sem derrota.

Confira classificação, tabela de jogos e artilharia da Série B do Campeonato Brasileiro

Os problemas defensivos do Verdão reapareceram e Magno Alves aproveitou falha de Márcio Araújo para abrir o placar aos 24 minutos. Aos 43, Alan Kardec dominou passe preciso de Valdivia para empatar. No segundo tempo, o time deu liberdade para Marcos fazer belo gol aos 20, e Mendieta deu assistência milimétrica para Leandro igualar aos 25.

Palmeirenses comemoram gol no empate por 2 a 2 com o Ceará no estádio do Castelão
Gazeta Press
Palmeirenses comemoram gol no empate por 2 a 2 com o Ceará no estádio do Castelão

Mesmo sem ganhar há três partidas, sendo duas delas pela segunda divisão nacional, o Palmeiras segue na liderança da Série B, agora com 41 pontos, e será campeão simbólico do segundo turno se não perder da Chapecoense na terça-feira, no Pacaembu. Já o Ceará está em 13º lugar.

O jogo - Gilson Kleina optou por uma escalação teoricamente mais ofensiva, atendendo aos pedidos da torcida colocando os estrangeiros Mendieta e Valdivia juntos em uma formação com dois meias, não mais três volantes. A estratégia era se aproveitar, também, do espaço do Castelão, estádio da Copa do Mundo com grandes dimensões.

E o início da partida foi dentro do que se esperava. Apoiado por um excelente público, o Ceará deu seu primeiro chute aos cinco segundos de jogo e passou os dois primeiros minutos pressionando a saída de bola do clube paulista. Um curto período, sem eficiência para realmente se aproveitar logo do pressionado Verdão, criticado publicamente por seu presidente na quarta-feira.

Os comandados de Kleina sabiam que o segredo era usar a rara participação de Valdivia, procurando o chileno, de volta após cinco jogos, para ter criatividade na frente. Logo aos três minutos, o meia lançou Leandro, que preferiu simular pênalti, e deixou o atacante outra vez em condições de abrir o placar, e, na sequência, Alan Kardec ainda cabeceou a bola na trave.

Com todo o perigo criado pelo Mago em dois minutos, o Ceará entendeu que era fácil acabar com o toque de bola do líder da Série B: bastava impedir que o chileno dominasse a bola. Assim, ao menos dois jogadores do time nordestino circundavam o camisa 10 enquanto os outros pressionavam a saída de bola palmeirense.

Limitando-se a cruzamentos inúteis para atacar, o Palmeiras acabou dando chance ao Ceará. Primeiro, os anfitriões assustaram em cabeçada de Magno Alves. Depois, o veterano centroavante aproveitou cochilo de Márcio Araújo na marcação em cobrança de escanteio e testou com força para abrir o placar, aos 24 minutos.

Foi quando o time de Kleina resolveu se mexer para diminuir a desvantagem. E começou a perder gols inacreditáveis. Aos 30 minutos, Juninho, totalmente livre, não quis tocar para Leandro e chutou em cima de Fernando Henrique. Logo depois, o próprio Leandro se atrapalhou com a bola. E o Ceará, vendo o rival nervoso, esteve perto do segundo gol em chute de Magno Alves.

Até que Valdivia se esforçou mesmo bem marcado. Aos 43 minutos, o chileno concluiu tabela e, caindo no chão, se esticou para tocar de primeira e deixar Alan Kardec totalmente desmarcado na grande área, só com o trabalho de bater na saída de Fernando Henrique para empatar pouco antes do intervalo.

Na volta para o segundo tempo, o Ceará esteve incisivo como nos primeiros minutos e o lateral direito Marcos descobriu que tinha liberdade para entrar em diagonal na defesa palmeirense. Primeiro, obrigou Fernando Prass a fazer boa defesa aos dois minutos. Mas, aos 20, foi além: avançou entre três marcadores e tabelou com Magno Alves antes de desempatar.

A má atuação do Verdão só não tinha resultado em mais um gol nordestino porque Magno Alves, pouco antes de Marcos balançar as redes, aproveitou chutão que passou por baixo de Tiago Alves, mas perdeu chance clara. Para piorar para Gilson Kleina, Valdivia saiu, quatro minutos após o Vovô retomar o comando do placar.

Mas Mendieta provou que o chileno não é o único capaz de criar no elenco. Aos 25 minutos, o paraguaio, já sem o amigo para ajudá-lo na armação, girou e fez assistência milimétrica para Leandro avançar sem nenhum marcador até se aproximar da pequena área e soltar a bomba, igualando o placar .

No minuto seguinte, Leandro chutou em cima de Fernando Henrique em jogada idêntica. Mas Mendieta, aparentando cansaço, também teve que sair. E o Verdão, com Felipe Menezes e Ronny incapazes de gerar perigo, teve que se contentar com a soma de só um ponto nesta noite.

FICHA TÉCNICA -  CEARÁ 2 X 2 PALMEIRAS

Local: estádio Castelão, em Fortaleza (CE)
Data: 31 de agosto de 2013, sábado
Horário: 21 horas (de Brasília)
Árbitro: Alicio Pena Junior (MG)
Assistentes: Aelson Mariano Campelo Gomes e Sergio Campelo Gomes (ambos do MA)
Cartões amarelos: João Marcos e Rogerinho (Ceará); Leandro, Valdivia e Wesley(Palmeiras)

Gols:
CEARÁ: Magno Alves, aos 24 minutos do primeiro tempo; Marcos, aos 20 minutos do segundo tempo
PALMEIRAS: Alan Kardec, aos 43 minutos do primeiro tempo; Leandro, aos 25 minutos do segundo tempo

CEARÁ: Fernando Henrique; Marcos, Potiguar, Diego Ivo e Vicente (Douglas); João Marcos, Xaves, Ricardinho (Dinélson) e Rogerinho; Mota (Romário) e Magno Alves
Técnico: Sérgio Soares

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Tiago Alves, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Wesley, Mendieta (Ronny) e Valdivia (Felipe Menezes); Leandro e Alan Kardec
Técnico: Gilson Kleina

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.