Tamanho do texto

As duas equipes pouparam titulares, mas os baianos aproveitaram o apoio da torcida para avançar na Copa Sul-Americana

Obina encara a defesa da Portuguesa
Edson Ruiz/Gazeta Press
Obina encara a defesa da Portuguesa

A vitória por 2 a 1 no Canindé deu tranquilidade ao Bahia, que usou jogadores reservas nesta terça-feira. Do outro lado, a Portuguesa nem viajou com seus titulares, já desinteressada pela Copa Sul-Americana. Desta forma, o jogo dificilmente seria bom, e não foi. O time da casa, diante de sua torcida que compareceu em um pequeno número na Arena Fonte Nova, fez o mínimo necessário para garantir a classificação, segurou um empate em 0 a 0 e cumpriu o objetivo da noite.

Comente esta notícia com outros torcedores

O Bahia não precisou fazer muito para garantir a vaga nas oitavas de final. O time da casa, depois de fazer o resultado no primeiro jogo, poupou alguns de seus jogadores, sendo que, do outro lado, tinha uma Portuguesa repleta de reservas. Desta forma, o duelo não teve um bom nível técnico, culminando no empate sem gols.

Depois de confirmar o favoritismo, o Bahia terá pela frente o Atlético Nacional de Medellín, que não teve dificuldades para eliminar o Guaraní do Paraguai. Antes disso, volta a enfrentar a Portuguesa neste sábado, às 18h30 (de Brasília), pelo Campeonato Brasileiro.

O jogo

O bom resultado no primeiro jogo não foi o bastante para animar o torcedor do Bahia. A Arena Fonte Nova estava vazia para o confronto. A explicação para as cadeiras vazias no estádio logo foram explicadas após o apito inicial: com jogadores poupados em ambos os lados, o jogo foi ruim.

Apesar da necessidade da vitória, Guto Ferreira deixou claro que a prioridade seria a luta contra o rebaixamento na Série A do Campeonato Brasileiro, e por isso escalou um time reserva. Até mesmo o treinador não viajou para Salvador, deixou o assistente Alexandre Faganella para fazer a função. Dentro de campo, a Portuguesa mais uma vez deixou a desejar.

O atacante Bruno Moraes ficou isolado na frente, com dois meias para suprir o ataque. Carlos Alberto e Jean Motta, no entanto, pouco renderam para oferecer perigo ao gol do Bahia. Do outro lado, o Bahia ainda conseguiu chegar ao ataque em lances isolados, principalmente quando a bola passava por Anderson Talisca.

O meia baiano era o responsável por servir Freddy Adu e Obina, que brigavam bastante com a zaga da Lusa, mesmo sem ter sucesso. Na melhor chance do primeiro tempo, Talisca colocou Angulo dentro da área, o lateral bateu de perna direita e a bola saiu pela linha de fundo. Ao longo dos 45 minutos iniciais, sobrou esforço, mas faltou muita criatividade dos ataques.

Logo no início do segundo tempo, a Portuguesa tentou ser mais ofensiva. Alexandre Faganella sacou o lateral Ivan, improvisou o volante Corrêa no setor e colocou Heverton. Logo no primeiro lance de perigo, aos 19 minutos, o jogador rubro-verde colocou Carlos Alberto em boas condições dentro da área, mas seu companheiro foi mal.

Pelo lado do Bahia, os garotos testados por Cristóvão Borges também não conseguiram balançar as redes, apesar da disposição. No segundo tempo, Potita entrou no lugar de Freddy Adu correu bastante, mas pouco produziu. Assim como no primeiro tempo, o jogo não teve jogadas claras de gol e o resultado parecia óbvio: um ruim empate sem gols na Fonte Nova.

FICHA TÉCNICA
BAHIA 0 X 0 PORTUGUESA

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data: 28 de agosto de 2013, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols (RJ)
Assistentes: Rodrigo Henrique Correa e Rodrigo Pereira Joia (ambos do RJ)
Cartões Amarelos: Demerson, Ângulo (Bahia) e Lima (Portuguesa)

Bahia: Marcelo Lomba, Angulo, Titi, Demerson e Jussandro (Raul); Feijão, Diones, Talisca (Alison) e Fabrício Lusa; Freddy Adu (Potita) e Obina
Técnico: Cristóvão Borges

Portuguesa: Gledson, Ivan (Heverton), Lima, Diego Augusto e Magal; Renan, Willian Arão (Gabriel), Corrêa, Carlos Alberto e Jean Motta; Bruno Moraes (Neílson)
Técnico: Alexandre Faganello

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.