Tamanho do texto

O meia-atacante Anderson Talisca foi displicente em alguns lances e foi vaiado pela torcida que compareceu em bom número ao Canindé

Sem espaço entre os titulares do Bahia devido ao bom momento vivido por Fernandão, Obina agarrou com as duas mãos a chance dada por Cristóvão Borges na estreia do time na Copa Sul-americana. O centroavante teve boa movimentação no Canindé e marcou o gol da vitória time por 2 a 1 já aos 45 minutos do segundo tempo.

O técnico tricolor fez poucas alterações na equipe que não vencia a quatro partidas no Campeonato Brasileiro, poupando justamente Fernandão, além do volante Fahel e do meia Marquinhos Gabriel. Após a partida na capital paulista, Cristóvão afirmou que a atuação decisiva do atacante não fez bem apenas para o próprio Obina

Obina comemora gol no Canindé
Gazeta Press
Obina comemora gol no Canindé

"Ele estava precisando de oportunidades. Estava trabalhando bem há um bom tempo e merecia. Foi bom ele ter jogado bem e decidido o jogo. Temos um grupo unido, que é a base de nossa força, por isso ficamos felizes com o gol dele. Também temos que destacar o Feijão, que tem entrado mais e novamente foi muito bem", elogiou.

Se o comandante do Bahia exaltou a partida feita pelo meio campista Feijão, o desempenho de outro garoto criado nas categorias de base do clube causa preocupação. O meia-atacante Anderson Talisca foi displicente em alguns lances e foi vaiado pela torcida que compareceu em bom número ao Canindé quando foi substituído pelo norte-americano Freddy Adu.

"Já aconteceu outras vezes essa situação de vaias. Ele é jogador de destaque, de Seleção Brasileira, e por isso é mais exigido. Ele precisa ser orientado, pois é natural que ele tenha oscilação. É talentoso, o futuro do clube e temos que tomar cuidado com ele para que possa desenvolver o futebol, porque ele tem um futuro muito promissor", alertou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.