Tamanho do texto

Goleiro teve participação decisiva na vitória do Fluminense ao defender cobrança de Walter e garantir o placar de 1 a 0 no Maracanã

Walter tem pênalti defendido por Diego Cavalieri
FERNANDO SOUTELLO/ Agif/Gazeta Press
Walter tem pênalti defendido por Diego Cavalieri

Diego Cavalieri foi decisivo para que o  Fluminense conquistasse a vitória sobre o Goiás nesta quarta-feira por 1 a 0 , no Maracanã. No início do segundo tempo, ele defendeu a cobrança de Walter e impediu o empate do adversário no duelo de ida pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Na saída de campo, o goleiro reconheceu a dificuldade da partida, valorizou o resultado, mas não deixou de apontar as falhas.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Era um jogo complicado, com dois adversários de peso. A Copa do Brasil é isso, sempre jogos bem disputados. No segundo tempo, tínhamos o placar e recuamos muito. É claro que precisávamos da vitória, mas isso não é bom. Foi uma circunstância do jogo e acabou acontecendo (o pênalti)", afirmou Cavalieri ao avaliar o segundo tempo do Fluminense.

Apesar da atuação abaixo da média de sua equipe, o goleiro preferiu valorizar o resultado, mas alertou para o tamanho da vantagem, alegando que não há nada resolvido. "O importante é que soubemos suportar a pressão, temos uma vantagem que não significa nada. Foi importante não ter tomado o gol, mas a dificuldade lá será muito maior. Precisamos continuar trabalhando para conseguir avançar", concluiu o arqueiro.

Vanderlei Luxemburgo aprovou a atuação do Fluminense, apesar do abuso nos erros de passe ao longo do jogo. Ao falar sobre a atuação carioca, o treinador preferiu atribuir as falhas à postura adotada pelo Goiás no Maracanã, que marcou bastante e diminuiu os espaços do time da casa.

"Foi um jogo marcado, truncado, pegado, com um meio de campo um pouco diferente. Eu acho que os erros de passe é em função da marcação bem feita, isso dificulta bastante", analisou Luxemburgo, que preferiu destacar os pontos positivos do Fluminense. O treinador citou a segurança da zaga, setor criticado logo em sua chegada, mas que apresentou uma melhora nos últimos jogos.

"Houve uma conscientização de equipe, e a equipe trabalhou em conjunto. Isso é futebol. Quando eu cheguei aqui, o pessoal estava muito preocupado com a zaga, mas isso é momento. Quando o time vai perdendo, estoura no goleiro e na zaga. Com a experiência que eu tenho, isso não me assusta", avaliou o comandante.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.