Tamanho do texto

Da estreia em 14 de julho - com revés por 3 a 2 para o Vitória, em Salvador - até aqui, foram mais sete derrotas, um empate e apenas um triunfo (sobre o Benfica, na Copa Eusébio)

Paulo Autuori comanda treino no CT do São Paulo
Site oficial
Paulo Autuori comanda treino no CT do São Paulo

Ao apresentar Paulo Autuori no São Paulo, Juvenal Juvêncio desdenhou da crise que o clube atravessava - e ainda atravessa. O presidente do clube disse, rindo, que o novo contratado e seu amigo seria chamado de "salvador" assim que vencesse três partidas. Um mês depois da estreia, contudo, o treinador não comprovou a previsão do mandatário.

Marco Aurélio Cunha diz que 'Cotia derrubou projeto vitorioso do São Paulo'

Da estreia em 14 de julho - com revés por 3 a 2 para o Vitória, em Salvador - até aqui, foram mais sete derrotas, um empate e apenas um triunfo (sobre o Benfica, na amistosa Copa Eusébio, em Portugal). Um aproveitamento pífio de 13%, que não tem feito a torcida rir. Nem o elenco. No treino de terça-feira, vendo os jogadores cabisbaixos, Autuori cobrou alegria de seus comandados. "Estamos vivos", gritou.

O volante Fabrício, que ficou quase dois meses afastado por Ney Franco e voltou a atuar justamente na estreia de Autuori, sai em defesa do treinador que o reintegrou. Ele diz ter notado evolução desde a partida na capital baiana, da qual saiu apontando "velhos hábitos" de desorganização tática de seus companheiros ou "cada um fazendo o que quer".

"Acho que a gente já melhorou, começou a respeitar mais as zonas do campo. O volante da direita fica na direita, o volante da esquerda fica na esquerda. O meia, o atacante... Já começou a ter esse padrão tático, quem tem que atacar, quem tem que defender. É lógico que tem mais o que melhorar, mas a gente já deu uma evoluída", opina o camisa 25.

A leitura de Fabrício, da qual Autuori compartilha, não condiz com os resultados do time. No domingo, o treinador disse que o São Paulo havia jogado para ganhar bem e não tinha palavras para explicar o placar final do Canindé (2 a 1 a favor da Portuguesa), a não ser pelo pênalti desperdiçado pelo goleiro Rogério Ceni e o gol que Aloísio invalidou ao colocar a mão na bola, em cima da linha. Sem resultados, a pressão só aumenta.

"Sabemos que, no futebol, todos vivem de resultado. Jogador titular vive de resultado, senão vai para a reserva. Futebol é resultado, não tem para onde correr", reconheceu Fabrício, que não pensa em nada abaixo de uma vitória sobre o Atlético-PR, na quinta-feira. "O peso de uma derrota no Morumbi seria... É pesado, hein? Não pode nem pensar nisso. Só pensamos na hipótese de sair de lá com três pontos".

O duelo entre o penúltimo e o quinto colocados do Campeonato Brasileiro será às 19h30 (de Brasília). Para deixar a zona de rebaixamento nesta rodada, o time treinado por Autuori precisa vencer e torcer por tropeços de Criciúma, Portuguesa e Atlético-MG.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.