Tamanho do texto

Os zagueiros Hilton, do Montpellier, e Henrique, do Bordeaux, discordam também sobre o quanto o campeonato ganhou em visibilidade com os investimentos recentes

PSG, campeão francês na temporada 2012/13
Michael Regan/Getty Images
PSG, campeão francês na temporada 2012/13

Atual campeão francês, o PSG desembolsou 110,4 milhões de euros (R$ 337 milhões) em contratações para esta temporada. De volta à elite após um ano na segunda divisão, o Monaco gastou ainda mais para cumprir o plano de rivalizar com os parisienses: 146,2 milhões de euros (R$ 446 milhões). Os investimentos em jogadores que se destacaram recentemente em outros países colocam as duas equipes como as maiores forças do futebol francês e principais candidatas ao título nacional. A questão que se faz no país é se algum outro clube pode ameaçar os dois novos-ricos.

Você acha que a briga pelo título francês ficará centralizada entre PSG e Monaco? Comente

Hilton, zagueiro do Montpellier
Site oficial
Hilton, zagueiro do Montpellier

Procurados pelo iG , dois zagueiros brasileiros que estarão em ação no Campeonato Francês nesta temporada têm opiniões distintas sobre o assunto. Campeão nacional com o Montpellier em 2012, Hilton imagina que, se as contratações feitas por PSG e Monaco derem o resultado esperado dentro de campo, as demais equipes terão de se contentar em fazer uma competição à parte. Já Henrique, que participou do título nacional do Bordeaux em 2009, vê esta disputa ainda bastante aberta.

Campeonato Francês: De volta à elite, Monaco investe mais para desafiar PSG

"Essa chegada de investidores para a França deverá fazer com que a briga pelo título fique parecida com a que ocorre na Espanha, onde Real Madrid e Barcelona lutam e os demais fazem um outro campeonato", disse Hilton, que tem 35 anos e atua no futebol francês desde 2005. "Vai ser complicado fazer frente a PSG e Monaco. Isso, claro, se as contratações derem resultado. Mas, se tudo der certo, os outros times vão brigar pelo terceiro lugar", completou.

Henrique, zagueiro do Bordeaux
Site oficial
Henrique, zagueiro do Bordeaux

Leia mais sobre futebol francês no Le Blog Du Foot

Henrique lembrou de algumas derrotas do PSG no último ano e do tempo necessário para fazer peças recém-chegadas se entrosarem para discordar. "Às vezes, um time gasta muito e acaba tropeçando em adversários menores, como aconteceu algumas vezes com o PSG na temporada passada. O Monaco contratou agora grandes jogadores, mas ainda pode levar algum tempo para conseguir formar um grande time. Por isso, ainda acredito que o campeonato continue nivelado", afirmou o defensor de 30 anos, que também chegou à França em 2005.

Maior visibilidade?
A briga pelo título não é a única questão que causou conflito de opiniões entre os dois zagueiros brasileiros. Eles também têm pontos de vista diferentes no que diz respeito a um possível aumento de visibilidade do Campeonato Francês com o maior investimento dos clubes nos últimos anos.

"Estou na França já há dez anos, e a visibilidade do campeonato para a Europa e para o mundo ficou muito maior nos últimos dois. Os investidores estão trazendo grandes estrelas para o país, o que ajuda bastante a valorizar o campeonato", apontou Hilton, antes lembrar o que aconteceu recentemente com Gil, zagueiro que hoje é titular do Corinthians . "Ele estava em um clube pequeno daqui e hoje se destaca um grande brasileiro. Essa maior visibilidade pode ajudar outros jovens que são desconhecidos no Brasil a chamarem mais a atenção."

Apesar de concordar que os brasileiros na França têm maior chance hoje de despertarem o interesse de clubes do país, Henrique considera que a visibilidade do campeonato que disputa ainda não é a mesma de outros considerados grandes da Europa. "Com exceção de jogadores do PSG, ninguém acabou sendo lembrado pelos técnicos da seleção brasileira nos últimos anos, seja com o Mano Menezes ou com o Felipão. Nenê, pelo PSG, e Wendell, pelo Bordeaux, fizeram ótimos campeonatos aqui e nunca foram convocados", opinou.

Relembre a conquista do PSG na França na temporada passada


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.