Tamanho do texto

Caso renove seu contrato com o time paulista, atacante já almeja vestir a camisa 7, vaga desde a saída de Maikon Leite

Leandro, atacante do Palmeiras
Wagner Carmo/Inovafoto/Gazeta Press
Leandro, atacante do Palmeiras

O artilheiro do Palmeiras na temporada veste a camisa 38, mas já almeja um número de titular caso renove seu contrato até o fim de 2014. Ciente de que os uniformes com os números 7 e 9 estão vagos desde as saídas de Maikon Leite e Kleber, Leandro se imagina usando no ano do centenário do clube a vestimenta que já foi de um ídolo seu: Edmundo.

Confira a tabela e classificação da Série B

"São camisas de ídolos, e eu preferiria a 7, até porque a 9 é de centroavante, e lembro pouco do Evair. Lembro um pouco mais do Edmundo, tenho boas recordações", comentou o atacante, citando o jogador que caiu nas graças da torcida ao se destacar nos títulos paulistas e brasileiros de 1993 e 1994, que quebraram um tabu de quase 17 anos sem conquistas do Verdão.

Leandro nasceu em 1993 e é filho de um palmeirense fanático. Pela idade, contudo, se mostrou um fã que não conhece tão bem o ídolo. "Em 2008, ele esteve jogando aqui e foi campeão paulista, se não me engano", equivocou-se o jogador.

Após vestir a camisa 7 alviverde entre 1993 e 1995, Edmundo retornou à equipe para atuar em 2006 e 2007. Saiu quando foi confirmada a contratação de Vanderlei Luxemburgo, técnico que é seu desafeto e que comandou o Palmeiras na conquista do Paulista de 2008.Passado à parte, Leandro prefere pensar no seu presente, que é positivo. Emprestado pelo Grêmio até dezembro, o palmeirense marcou dez gols em 22 jogos pelo seu time do coração e tem em seu contrato um direito unilateral dado ao Verdão de ampliar o vínculo por mais um ano. Por isso, basta o acerto salarial para o acordo ser selado.

Em campo, na briga para tirar o clube da Série B do Brasileiro, Leandro se diz alheio ás negociações. "Prefiro me preocupar dentro de campo e fazer o meu trabalho. Se eu estiver desempenhando um bom trabalho, eles vão resolver isso da melhor forma possível", comentou.

Feliz por sua situação atual, até mesmo o seu número no centenário é minimizado, contanto que ele faça parte do elenco em um ano tão especial para o Palmeiras. "Se pintasse uma oportunidade, eu ficaria bem feliz. As camisas 7 e 9 são de grandes ídolos que já jogaram aqui. Mas, se não der, estou feliz também", garantiu Leandro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.