Tamanho do texto

Após desperdiçar oportunidades, campeão europeu conseguiu vazar a meta brasileira na segunda etapa e venceu por 2 a 0; Rogério teve penalidade defendida por Neuer

Osvaldo tenta desarmar Robben na derrota do São Paulo para o Bayern de Munique na Copa Audi
Getty Images
Osvaldo tenta desarmar Robben na derrota do São Paulo para o Bayern de Munique na Copa Audi

O São Paulo se fechou atrás do meio-campo e suportou o Bayern de Munique o quanto pôde em seu primeiro jogo pela Copa Audi, na Allianz Arena - pouco mais de 45 minutos. Após desperdiçar diversas oportunidades, o campeão europeu conseguiu vazar a meta brasileira passados nove minutos do intervalo e venceu por 2 a 0, classificando-se para a decisão. O goleiro Rogério ainda perdeu pênalti no final.

O que achou da atuação do São Paulo diante do Bayern de Munique? Comente!

Derrotado com gols de Mandzukic e Weiser (aos nove e aos 40 minutos da segunda etapa, respectivamente), o time treinado por Paulo Autuori decidirá o terceiro lugar contra o Milan, que mais cedo perdeu por 5 a 3 para o Manchester City. A partida será às 13h15 (de Brasília) desta quinta-feira, na preliminar da disputa do título, entre alemães e ingleses.

O treinador fez apenas uma alteração em relação à equipe que empatou com o Corinthians, no fim de semana. Aloísio, que cumpriu suspensão no clássico, tomou a posição de Ademilson no ataque, e o São Paulo foi a campo mais uma vez com três volantes (Wellington, Rodrigo Caio e Fabrício) e só Jadson como meia.

Guardiola também promoveu poucas mudanças em seu time. Por opção, escalou o brasileiro Rafinha na lateral direita, em vez de Lahm, deslocado ao meio-campo. O homem de frente foi o peruano Pizarro, municiado pelos pontas Ribéry e Robben. Dante iniciou entre os 11, enquanto o também brasileiro Luiz Gustavo nem no banco ficou.

LEIA:  Em jogo de 8 gols, Manchester City vence Milan e vai à final da Copa Audi

Com essas armações, o primeiro tempo se desenhou como um jogo de ataque contra defesa. Bem postado defensivamente, a exemplo do clássico, o São Paulo se preocupou inicialmente em não dar espaços, jogando sem posse e quase sempre com todos seus homens atrás da linha da bola. Em contragolpe aos oito minutos, Aloísio arriscou de longe, e Neuer defendeu em dois tempos.

Quatro minutos depois daquele que seria sua única finalização a gol, o time brasileiro fez sua primeira substituição. Paulo Miranda deixou o campo, levando a mão à coxa esquerda, para a entrada de Edson Silva. Logo no primeiro lance, o zagueiro reserva permitiu que Pizarro subisse com liberdade para cabecear para fora uma bola levantada em cobrança de escanteio pela direita.

O Bayern tinha o controle do jogo e trocava passes - para deleite de Guardiola - à espera de melhores chances de bater a gol. Aos 19 minutos, Schweinsteiger achou espaço, chutou com força, mas Rogério Ceni defendeu. A estabilidade passou segurança para que, aos poucos, a equipe brasileira tentasse uma ou outra subida ao ataque, passando sempre pelos pés de Jadson.

Só que a consistência defensiva começou a afrouxar na parte final do primeiro tempo. Aos 31 minutos, Robben recebeu livre, de frente para Ceni, e desviou fraco, facilitando a defesa. Seis minutos depois, o goleiro são-paulino errou reposição de bola, e o Bayern trocou passes rapidamente até Pizarro, que só não abriu o placar porque Rafael Toloi esticou a perna e impediu o gol quase em cima da linha.

Ainda antes do intervalo, o time alemão teve outras duas grandes oportunidades de marcar. Na primeira, Alaba recebeu ótimo passe nas costas de Douglas e chutou rasteiro. Ceni, já caído, desviou para escanteio com os pés. Depois, foi a vez de Robben, também pelo lado esquerdo do ataque, bater cruzado rasteiro e obrigar o goleiro são-paulino a espalmar no centro do gol.

Autuori resolveu mexer no time no intervalo, tirando Osvaldo para colocar Ganso. Mais tarde, aos oito minutos, redesenhou o time trocando Jadson por Ademilson. No minuto seguinte, o Bayern fez o gol. Após cruzamento de Robben pela direita, Edson Silva desviou de cabeça para trás, e Mandzukic apareceu na segunda trave para concluir para a rede, sem chance de defesa para Ceni.

O que já era difícil se tornou praticamente impossível. Ainda mais depois que Autuori, preocupado com o desgaste físico da viagem e também com o fato de seu time jogar novamente nesta quinta-feira, passou a fazer seguidas substituições. Até garotos como o meia-atacante Lucas Evangelista e o zagueiro Lucas Silva - que até então não havia feito nenhuma partida como profissional - tiveram chance de atuar.

Entregue, o São Paulo sofreu o segundo gol aos 40 minutos, quando Weiser aproveitou rebote em chute de Shaqiri na trave e completou para a rede. O time brasileiro poderia ter diminuído a diferença dois minutos depois, quando Silvinho sofreu pênalti. Porém, Rogério Ceni efetuou mal a cobrança, Neuer espalmou e ainda contou com ajuda da trave esquerda para evitar o tento adversário e decretar o placar.

FICHA TÉCNICA -  BAYERN DE MUNIQUE 2 X 0 SÃO PAULO

Local: Allianz Arena, em Munique (Alemanha)
Data: 31 de julho de 2013 (quarta-feira)
Horário: 15h30 (de Brasília)
Árbitro: Deniz Aytekin (ALE)
Assistentes: Benjamin Brand (ALE) e Marco Achmuller (ALE)
Cartão amarelo: Wellington (São Paulo)

Gols: BAYERN DE MUNIQUE: Mandzukic, aos nove, e Weiser, aos 40 minutos do segundo tempo

BAYERN DE MUNIQUE: Neuer; Rafinha, Dante (Van Buyten), Martinez (Kirchhoff) e Alaba; Lahm (Weiser), Kroos (Shaqiri), Schweinsteiger (Boateng), Ribéry (Green) e Robben (Muller); Pizarro (Mandzukic)
Técnico: Pep Guardiola

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas (Lucas Farias), Paulo Miranda (Edson Silva), Rafael Toloi (Lucas Silva) e Reinaldo; Wellington, Fabrício, Rodrigo Caio (Maicon) e Jadson (Ademilson); Osvaldo (Ganso) e Aloísio (Silvinho)
Técnico: Paulo Autuori

    Leia tudo sobre: bayern de munique