Tamanho do texto

As equipes se enfrentam na decisão da Champions League e o empréstimo que o clube de Munique fez em 2004 voltou à tona para acirrar ainda mais os ânimos da final em Wembley

Thomas Müller x Felipe Santana: a rivalidade Bayern de Munique x Borussia Dortmund
Wolfgang Rattay/Reuters
Thomas Müller x Felipe Santana: a rivalidade Bayern de Munique x Borussia Dortmund

Borussia Dortmund x Bayern de Munique se transformou na maior rivalidade recente dentro do futebol alemão. Campeão da atual temporada da Bundesliga de forma indiscutível e antecipada, o time de Munique viu o seu adversário da decisão da Champions League conquistar os dois torneios nacionais anteriores e voltar a ser uma das principais equipes dentro do país.

Leia mais notícias e opiniões de futebol germânico no Blog do Alemão

Depois do título alemão da temporada 2001/2002, o Dortmund se atolou numa crise financeira sem precedentes, muito em função do dinheiro gasto em contratações caras, e ficou perto de decretar falência. Naquela ocasião, o clube teve que vender vários jogadores importantes para tentar equilibrar suas dívidas e perdeu força no cenário nacional.

Fotos: Suposto caso de traição entre zagueiros agita Borussia Dortmund antes da decisão

Mas não foi só isso. Além de abrir mão de alguns atletas e vender o  naming rights de seu estádio para a Signal Iduna, o Borussia Dortmund recebeu, em 2004, uma ajuda providencial do Bayern de Munique, que emprestou 2 milhões de euros (R$ 5,2 milhões) ao clube. Sem contar o amistoso que os Bávaros fizeram com 100% da renda revertida aos Amarelos, que, enfim, conseguiram se reerguer em 2007.

Com a final da Liga dos Campeões se aproximando - Dortmund e Bayern se enfrentam no dia 25 de maio, em Londres - o assunto do empréstimo, claro, veio à tona, colocando um ingrediente a mais na partida de Wembley e deixando os ânimos ainda mais acirrados. Vale lembrar que a contratação de Mario Götze pelo Bayern já havia criado um clima de desconforto entre os clubes.

Hans-Joachim Watzke, presidente do Dortmund
Reprodução/Welt
Hans-Joachim Watzke, presidente do Dortmund

Diante disso, o presidente do Borussia Dortmund, Hans-Joachim Watzke, negou veementemente que o Bayern teve um papel importante na reconstrução do time, como se vangloria Uli Hoeness, presidente dos Bávaros. Watzke admitiu que o clube recebeu sim dinheiro do rival, mas disse que a quantia fez pouca diferença na estabilidade financeira que os aurinegros alcançaram.

Veja: O modelo comercial que faz a Bundesliga ser referência no mundo

"Teve um empréstimo de 2 milhões de euros do Bayern, mas não por minha decisão. Em 2004, o Bayern emprestou o dinheiro para os meus antecessores e, mesmo com aqueles 2 milhões, o Borussia quase faliu em 2005. Eu preferia ter ficado implorando do que ter pego dinheiro do Bayern", disse o dirigente do Dortmund, assegurando que a quantia já foi paga ao clube de Munique.

“Um dos meus primeiros atos oficiais (ele é presidente desde 2010) foi perguntar aos credores permissão para pagar de volta toda a quantia. O Bayern de Munique não teve nenhum papel de destaque em ajudar o Borussia Dortmund na sua administração. Eles tiveram muito interesse e tiveram o dinheiro de volta", completou Hans-Joachim Watzke.

Resta saber se essa ajuda que o Bayern de Munique deu ao Borussia Dortmund vai custar muito mais caro que os 2 milhões de euros no jogo decisivo da Champions League.

Ajudar não é novidade para o Bayern
Clube mais rico da Alemanha e um dos maiores do mundo, o poderoso Bayern de Munique sempre fez o papel de "bom samaritano" com os outros rivais que passam por momentos de crise financeira. Além do Borussia Dortmund, outros clubes também receberam auxílio dos Bávaros.

Neste ano de 2013, por exemplo, o Bayern fez um amistoso contra o Alemannia Aachen , na casa do adversário, onde o clube da Baviera não recebeu nenhuma quantia em troca e toda a renda foi destinada ao Aachen. O duelo, que foi chamado de "Jogo do resgate" e terminou em 5 a 2 para o Bayern, serviu para ajudar o lanterna da 3ª divisão alemã. A mesma situação aconteceu com o St. Pauli, carismático clube da cidade de Hamburgo, em 2003. O Bayern agendou um amistoso com a equipe, fora de casa, e não cobrou nada dos anfitriões que estavam com problemas de finanças.

Allianz Arena é a casa do Bayern de Munique e do rival Munique 1860
Divulgação
Allianz Arena é a casa do Bayern de Munique e do rival Munique 1860

O caso mais polêmico de boa ação do Bayern aconteceu justamente com o seu maior rival de dentro da cidade, o Munique 1860. A Allianz Arena, inaugurada em 2005, era dividida entre os dois clubes, com 50% para cada um.

Entretanto, no ano seguinte à construção do estádio, o 1860 precisava de dinheiro para sanar dívidas e vendeu sua parte ao arquirrival pela simbólica quantia de 11 milhões de euros, podendo comprar sua parte de volta pelo mesmo valor, quando quiser. O valor, na verdade, serviu para ajudar o Munique 1860, que continua usando a Allianz como mandante, mediante o pagamento de aluguel.

Em 2011, o 1860 quase decretou falência e precisava de 8 milhões de euros para sobreviver. O Bayern se ofereceu mais uma vez para emprestar o valor, mas a fúria e desaprovação de ambas as torcidas impediram a nova transação. A solução veio através de um milionário jornadiano, Hasan Abdullah Ismaik, que comprou 49% do capital do clube - valor máximo que se pode negociar de acordo com as leis do futebol alemão.

    Leia tudo sobre: Bayern de Munique