Tamanho do texto

Foi no mítico estádio que Romarinho definiu o empate por 1 a 1 na partida que abriu a decisão da Libertadores de 2012. Times voltam a se enfrentar nas oitavas deste ano

Romarinho fez o gol de empate do Corinthians contra o Boca na Bombonera em 2012
Reuters
Romarinho fez o gol de empate do Corinthians contra o Boca na Bombonera em 2012

A situação pode ser inacreditável para quem acordou de um ano em coma, mas o Corinthians é o atual campeão da Libertadores e tem a oportunidade de colocar o Boca Juniors em sua lista de fregueses. Nas oitavas de final da competição sul-americana, ainda que Riquelme estranhe, o favorito é o clube brasileiro.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

O confronto começa às 22h (de Brasília) desta quarta-feira, em La Bombonera. Foi no mítico estádio que Romarinho definiu o empate por 1 a 1 na partida que abriu a decisão do ano passado. No jogo de volta, no Pacaembu, coube a Emerson nocautear o poderoso time argentino.

Os dois jogadores são titulares e causam grande preocupação nos donos da casa. Romarinho brincou que pode dar uma nova cavadinha para balançar a rede, e o Sheik se mostrou disposto a repetir a dentada que deu no zagueiro Caruzzo, derrotando-o na bola e na catimba.

Não é apenas a final de 2012 que dá ao Corinthians essa inédita condição de favorito na disputa. A equipe fez uma campanha satisfatória na fase de classificação, vem de goleada sobre a Ponte Preta o Campeonato Paulista e dispõe de um elenco reconhecidamente forte, com atletas como Alexandre Pato no banco.

A fase do Boca é bem diferente. Agora dirigido por Carlos Bianchi, o time avançou com o segundo lugar de sua chave e a quarta pior pontuação entre os classificados. No Campeonato Argentino, já são impressionantes dez rodadas sem vitória e apenas a 18ª posição.

Riquelme não se importa. O experiente meio-campista lembrou que a formação azul e amarela tem seis títulos da Libertadores, contra apenas um do Corinthians. "A história é maior do que uma final", provocou, recusando-se a concordar com a superioridade do rival.

Os corintianos evitaram debater a frase do craque, limitando-se a demonstrar respeito ao adversário. Suas respostas foram de encontro ao que vem pregando Tite. O treinador falou em evitar cair no "tapetinho da soberba", algo do que seus atletas se aproximaram repetidas vezes neste ano.

Tite não escondeu a escalação, a mesma que superou a Ponte Preta em outro terreno hostil, o Moisés Lucarelli, no último final de semana. Já o Boca preferiu o mistério, alimentado pelas condições físicas preocupantes de Caruzzo e Riquelme.

FICHA TÉCNICA -  BOCA JUNIORS X CORINTHIANS
Local: La Bombonera, em Buenos Aires (Argentina) 
Horário: 22 horas (de Brasília) 
Data: 1º de maio de 2013 (quarta-feira) 
Árbitro: Enrique Osses 
Assistentes: Carlos Astroza e Sergio Roman

BOCA JUNIORS: Orión; Marín, Magallán (Caruzzo), Burdisso e Clemente Rodríguez; Erbes, Somoza, Erviti e Riquelme (Sánchez Miño); Martínez e Blandi
Técnico: Carlos Bianchi

CORINTHIANS: Cássio; Alessandro, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Ralf e Paulinho; Romarinho, Emerson e Danilo; Guerrero
Técnico: Tite

*Com Gazeta