Tamanho do texto

Não tomar gols diante do Tijuana no México, pela Libertadores, era o objetivo do time, e seu cumprimento fez o jogador falar até como garantia de caráter

Após ser eliminado pelo Santos nas quartas de final do Campeonato Paulista nos pênaltis, no sábado, o Palmeiras passou a analisar o 0 a 0 com o Tijuana nessa terça-feira, no México, como uma prova de superação. Não tomar gols era o objetivo do time, e seu cumprimento fez o jogador falar até como garantia de caráter.

LEIA: Palmeiras não vê vantagem em empate fora, mas admite que torcida pode decidir

"Todos aqui se dedicam, são pais de família e deram o máximo para conseguirmos nosso primeiro objetivo: não tomar gol", comentou Wesley, que prendeu demais a bola e acabou atrapalhando as jogadas ofensivas, mas auxiliou na parte defensiva.

Capitão do time, Henrique destacou que o Verdão entrou em campo para atuar no gramado sintético do Tijuana pouco mais de três dias depois do clássico na Vila Belmiro. E neste período ainda houve uma viagem de 17 horas entre São Paulo e a cidade próxima à fronteira do México com os Estados Unidos.

E TAMBÉM: Médico é cauteloso, mas Kleina tem certeza de que Valdivia joga no dia 14

"Viemos com o intuito de não perder e com o objetivo de não tomar gol. E a equipe se portou bem, marcamos muito forte. Saímos de cabeça erguida, com o objetivo cumprido", disse o zagueiro, até minimizando as finalizações erradas, preferindo apontar o foco para o jogo de volta, no dia 14, no Pacaembu.

E seus colegas concordam. "Sabíamos das dificuldades, principalmente em relação ao campo, e conseguimos sair com um resultado de grande importância. Tivemos oportunidade de vencer, mas aconteceu como queríamos e ficamos felizes. Agora temos tempo para trabalhar e sair com a classificação em São Paulo", afirmou Wesley.