Tamanho do texto

Treinador do Palmeiras destaca atuação do goleiro do Santos nas cobranças e se recusa a atribuir a eliminação à falta de sorte

Gilson Kleina, técnico do Palmeiras
Gazeta Press
Gilson Kleina, técnico do Palmeiras

Como o presidente Paulo Nobre, Gilson Kleina ressaltou a garra do Palmeiras após empatar com o Santos e ser eliminado nos pênaltis nas quartas de final do Campeonato Paulista , neste sábado, na Vila Belmiro. Mas o técnico deixou uma mensagem: só correr não adianta, é necessário acertar mais.

Enquanto comandados como Mauricio Ramos, um dos líderes do elenco, saíram de campo definido a disputa de pênaltis como uma "loteria", o treinador ressaltou o que havia dito mesmo antes das cobranças: é competência. E foi o que faltou a Kleber e Leandro, que tiveram suas tentativas defendidas por Rafael.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Pênalti é competência, e o goleiro deles foi competente. Nós treinamos e não deu certo", falou o técnico, ressaltando também o gol do Santos no empate por 1 a 1 no tempo normal: Neymar, livre na área após cobrança de escanteio, chutou e Cícero, também desmarcado e na pequena área, desviou nas redes, aos 12 minutos de partida. "Tivemos um erro no lance do gol."

O olhar rigoroso também foi apontado pelo treinador para analisar as defesas de Bruno, que salvou a equipe no segundo tempo evitando gols de Neymar. "Fizemos a marcação que queríamos, mas a transição que treinamos não saiu", afirmou o comandante, apontando também que Neymar não foi decisivo como costuma.

"Ele deu assistência para o gol e está ficando mais experiente, teve a recuperação, é diferenciado. Ele verticaliza, muda o ritmo do jogo, vai para cima. Fomos competentes quando demos espaço ele chegou na cara, mas ele perdeu gols que não costuma", analisou, lembrando que o astro era dúvida no jogo por dores na coxa esquerda.

Apesar dos erros, o técnico quis motivar seus atletas, até pensando no jogo de terça-feira, contra o Tijuana, no México, pela Libertadores. "Fomos buscar, não nos entregamos. Fica o orgulho de um time brioso, vamos trabalhar para deixar o Palmeiras no patamar competitivo", afirmou.

O gol de empate de Kleber, aos 38 minutos do segundo tempo, selou uma atuação que também merece elogios, segundo Kleina. "Reagimos. A cada jogo que fazemos, estamos nos superando e hoje (sábado) não foi diferente. O torcedor viu isso, saímos atrás, com dois tempos distintos, tivemos muito mais a condição no segundo tempo, mas ficamos expostos", disse o técnico.