Tamanho do texto

Com número elevado de datas e fórmulas de disputas pouco atraentes, os estaduais são apontados como grandes vilões do início de temporada

Cartola do Palmeiras, Brunoro defendeu a redução dos campeonatos estaduais
Gazeta Press
Cartola do Palmeiras, Brunoro defendeu a redução dos campeonatos estaduais

Os campeonatos estaduais viraram um verdadeiro tormento para dirigentes, treinadores e jogadores dos principais clubes do futebol brasileiro. Com número elevado de datas e fórmulas de disputas pouco atraentes, os estaduais são apontados como grandes vilões do início de temporada.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Na última terça-feira, em seminário sobre o calendário do futebol brasileiro, cartolas de grandes clubes discutiram o futuro dos campeonatos estaduais e chegaram a um consenso sobre o assunto: os estaduais precisam ser reduzidos.

“O grande problema no início do ano é que falta tempo para realizar uma boa pré-temporada. Isso faz muita falta para os clubes grandes do futebol brasileiro. Os campeonatos estaduais ocupam essas datas e comprometem a pré-temporada”, disse José Carlos Brunoro, diretor-executivo do Palmeiras.

Leia mais: Muricy critica a fórmula do Paulistão: "Se não está boa, tem que mudar"

Segundo Brunoro, as fórmulas de disputas dos estaduais devem ser repensadas. Em São Paulo, por exemplo, 20 clubes disputam turno único e os oito primeiros garantem vaga nas quartas de final. Após 19 rodadas, a única vantagem do time que faz a melhor campanha é disputar as partidas decisivas como mandante.

“Na minha visão, os estaduais não devem acabar. No entanto, as fórmulas de disputa precisam ser alteradas. Os clubes grandes começam a pré-temporada no início de janeiro e apenas duas semanas depois já estão jogando os campeonatos estaduais”, comentou.

Veja também: Andrés Sanchez critica calendário brasileiro e pede nova postura

Além de atrapalharem a pré-temporada dos clubes, os estaduais também estão comprometendo receitas importantes. Por causa do problema, o Flamengo, por exemplo, promete ignorar as primeiras rodadas do Campeonato Carioca de 2014.

“É óbvio que esse calendário impacta bastante nas nossas receitas. Para o próximo ano, temos propostas para realizar a pré-temporada nos Estados Unidos, na Ásia ou no Oriente Médio. Não podemos perder essa oportunidade. Vou fazer a pré-temporada no exterior custe o que custar. Se o Campeonato Carioca começar no dia 15 de janeiro, vamos jogar com um grupo de meninos”, disse Wallim Vasconcellos, vice-presidente de futebol do Flamengo.

Apesar de concordarem que os estaduais devem ser reduzidos, os cartolas alertam que qualquer alteração leva tempo. “Precisamos levantar a bandeira da necessidade da redução de datas, principalmente dos estaduais. Para 2014 acho que não é possível alterar. Podemos nos antecipar para buscar uma mudança em 2015, mas é difícil”, lamentou Rodrigo Caetano, diretor de futebol do Fluminense.