Tamanho do texto

Problemas estruturais na cobertura do estádio do Pan 2007 comprometem a segurança

Cobertura do Engenhão representa risco aos torcedores que vão ao estádio
Uanderson Fernandes / Agência O Dia
Cobertura do Engenhão representa risco aos torcedores que vão ao estádio

O Engenhão está interditado por tempo indeterminado. O estádio apresenta problemas na cobertura, que corre até o risco de cair dependendo de velocidade de vento e temperatura, e foi fechado por ordem da prefeitura do Rio. A decisão foi comunicada nesta terça-feira em reunião que contou com os presidentes de Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco e da Federação de Futebol do Estado do Rio (Ferj). O prefeito Eduardo Paes explicou por que o atual principal palco do futebol carioca está proibido de receber jogos.

Leia também: Engenhão será interditado pela prefeitura do Rio por problemas estruturais

Estádio é administrado pelo Botafogo
Renan Rodrigues/iG
Estádio é administrado pelo Botafogo

"Fui procurado no fim da semana passada pelo consórcio responsável pela construção do Engenhão, inaurgurado em 2007. Eles vêm monitorando a situação da cobertura desde o início. Esse monitoramento tem sido feito pelo próprio projetista da cobertura. Já havia tido uma segunda opinião da cobertura. E hoje (terça-feira) me informaram que a cobertura tinha problemas estruturais de projeto. Perguntei se esses problemas representavam risco para os torcedores. E a resposta foi "sim", dependendo de determinadas circunstâncias como velocidade do vento e temperatura. Independentemente disso, existia o risco. Não sei dizer a proporção. Diante desse fato, tomei a decisão de interditar o estádio imediatamente até que tivéssemos mais detalhes para a solução que pode ser dada. Liguei para o presidente da Federação e do Botafogo", disse, em coletiva, Eduardo Paes.

Relembre: Problema na cobertura do Engenhão é conhecido há pelo menos três anos

"Não há qualquer relação desse risco com a maneira como o Botafogo vem conduzindo. Pelo contrário, há uma série de problemas que o clube vem resolvendo. É um problema da cobertura e não da manutenção do Botafogo. Já amanhã (quarta-feira) não vamos poder realizar nenhum jogo no estádio. Reafirmo aqui, prioridade absoluta é, em havendo qualquer risco, não permitir que o estádio seja utilizado", disse o prefeito, que acrescenta sobre os problemas do estádio:

"Vou trabalhar com o pior cenário e a melhor solução. A informação que obtive é que houve uma convergência de três opiniões sobre os riscos da cobertura, até mesmo de uma empresa alemã contratada pelo concessionário. Aparentemente é um problema do projeto. Mas vamos apurar tudo isso. Não ficaremos apenas no laudo. O time da Prefeitura está empenhado em encontrar a solução o mais rapidamente possível. Até agora não me foi apresentada nenhuma. Assim que ela me for apresentada será implementada. É inadimissível que um estádio inaugurado há tão pouco tempo já tenha de enfrentar essa situação."

Não há previsão para o Engenhão ser reaberto ao público.

"O estádio vai ficar fechado por tempo indeterminado. Se me apresentarem uma solução que vai levar um mês, ele ficará um mês fechado. Se durar um ano, vai ficar um ano fechado. Só vou desenterditar o Engenhão quando surgir uma solução definitiva para o problema. Não podemos brincar com um negócio desse", garantiu Paes.

A Ferj vai se reunir com os presidentes de Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco para traçar uma solução agora que o estádio está interditado. Os jogos entre Fluminense e Macaé, marcado para quarta-feira, e Botafogo x Friburguense, na quinta, estão com a situação indefinida.