Tamanho do texto

Conforme disse o presidente Paulo Nobre na semana passada, clube exige que torcedores envolvidos na confusão no aeroporto de Buenos Aires sejam devidamente punidos

Deixar de oferecer ingressos de graça em jogos fora do Brasil e o corte de qualquer relacionamento com organizadas não é a única punição que o Palmeiras deseja após a confusão em um aeroporto de Buenos Aires. O clube formalizou queixa na polícia contra a Mancha Alviverde para cobrar ações contra os envolvidos na tentativa de agressão que gerou corte na cabeça e na orelha de Fernando Prass na quinta-feira.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Brunoro quer que os responsáveis pela confusão no aeroporto sejam punidos
Gazeta Press
Brunoro quer que os responsáveis pela confusão no aeroporto sejam punidos

"Estamos dando sequência ao que foi falado pelo presidente. Queremos que os responsáveis, ou melhor, esses irresponsáveis sejam realmente enquadrados", disse o diretor executivo José Carlos Brunoro, lembrando que os envolvidos na confusão são conhecidos do clube.

Leia mais: Clube pede cuidado, mas elenco do Palmeiras não abre mão de vida social

"O Palmeiras está fazendo a sua parte. O que não pode é acontecer o que aconteceu e ficar tudo bem. Ou que aconteçam sempre as mesmas coisas com as mesmas pessoas e ninguém fazer nada", prosseguiu o dirigente, à espera também de uma manifestação oficial da organizada.

O clube enviou provas à polícia sobre o que ocorreu na última quinta-feira, incluindo vídeos. Foram citados nomes como o do ex-presidente da uniformizada, André Guerra, atuante na confusão que visava agressões a Valdivia e terminou em xícaras atiradas contra o elenco.

Na justiça argentina, Fernando Prass ficou horas após a confusão dando seu depoimento no aeroporto ao lado do gerente de futebol Omar Feitosa, assim como três integrantes da Mancha, mas nada conclusivo foi dito. De acordo com Brunoro, se o goleiro tivesse apontado os responsáveis, ficaria dias na Argentina até a resolução do caso, o que prejudicaria o time.

A ação é também uma resposta à falta de ação da Mancha. O presidente Paulo Nobre disse que retomaria as relações caso a organizada entregasse os responsáveis pela confusão, e internamente na uniformizada foi aberta essa possibilidade. Mas, segundo Brunoro, ninguém havia procurado a diretoria até a noite dessa segunda-feira.

Uma das principais irritações dos dirigentes é que muitos no clube conhecem quem causou a confusão. O atrito da semana passada, por exemplo, se iniciou após Valdivia, durante o aquecimento para o jogo de quarta-feira contra o Tigre, mostrar os órgãos genitais para Wellington Oliveira Almeida, conhecido como Zeca Urubu e que já trocou agressões com João Vitor e Fabinho Capixaba.