Tamanho do texto

Clube perde dinheiro em todos jogos como mandante. Gerente executivo minimiza e diz que prioridade é dar rodagem a jogadores não utilizados no time principal e novatos

Sem o Palestra Itália, Palmeiras B manda seus jogos na Rua Javari, estádio do Juventus
Juventus - Divulgação
Sem o Palestra Itália, Palmeiras B manda seus jogos na Rua Javari, estádio do Juventus

O time B do Palmeiras vem dando prejuízo ao clube na temporada 2013. Em cinco partidas que já disputou como mandante na Série A3 do Campeonato Paulista, a equipe acumula público total de 147 torcedores pagantes e prejuízo líquido de mais de R$ 35 mil.

A estreia em casa foi na segunda rodada da Série A3. O empate por 1 a 1 com o Barretos na Rua Javari, estádio do Juventus que é utilizado pelo Palmeiras B, foi acompanhado por 67 torcedores. As despesas com aluguel de campo, ambulância, fiscalização, policiamento, manutenção e impostos geraram um prejuízo de R$ 1.716,58.

Os jogos seguintes, vitória sobre o Guaçuano e derrota para o Votuporanguense, foram realizados com os portões fechados por conta de uma interdição na Rua Javari, de acordo com a FPF (Federação Paulista de Futebol). Pior para o clube do Palestra Itália, que, sem receita alguma nestes duelos, teve prejuízos de R$ 8.339,96 e R$ 8.185,00, respectivamente.

Os torcedores puderam voltar a acompanhar o time diante do São Vicente na sétima rodada. Mas a derrota por 1 a 0 foi assistida por apenas 50 testemunhas e o Palmeiras perdeu mais R$ 9.173,01. O revés por 3 a 1 para o Joseense na semana seguinte foi ainda pior: público pagante de 30 torcedores e R$ 8.137,80 a menos na conta.

ADVERSÁRIO DATA PÚBLICO PREJUÍZO
Barretos 30/01/2013 67 R$ 1.716,58
Guaçuano 09/02/2013 Portões fechados R$ 8.339,96
Votuporanguense 16/02/2013 Portões fechados R$ 8.185,00
São Vicente 23/02/2013 50 R$ 9.173,01
Joseense 27/02/2013 30 R$ 8.137,80


Clube minimiza prejuízo
Mas, na visão do recém-nomeado diretor executivo do Palmeiras José Carlos Brunoro, a questão financeira fica em segundo plano. Segundo o dirigente, o aspecto técnico é o mais relevante com relação à equipe B.

“A questão não é déficit. É um time para fazer com que jogadores que não são utilizados no profissional ou que estão sendo testados tenham rodagem”, explicou Brunoro.

O dirigente, porém, disse não saber se a equipe criada em 2000 será mantida em um futuro próximo. Ele afirmou que a atual diretoria palmeirense ainda irá avaliar a “validade técnica” do time.

O Palmeiras B ocupava a zona de rebaixamento da Série A3 até o último final de semana. Após nove rodadas e vitória por 2 a 0 sobre o América no sábado, a equipe subiu para a 13ª colocação, com 10 pontos conquistados.

José Carlos Brunoro, diretor executivo do Palmeiras, minimiza prejuízo financeiro do Palmeiras B
Gazeta Press
José Carlos Brunoro, diretor executivo do Palmeiras, minimiza prejuízo financeiro do Palmeiras B