Tamanho do texto

Vitória por 4 a 2 no Anacleto Campanella deixa o time do Morumbi com 16 pontos, dois a menos do que a Ponte Preta no Paulistão

O atacante Luis Fabiano levou o São Paulo à vice-liderança do Campeonato Paulista. Ele marcou dois gols e foi decisivo na vitória por 4 a 2 sobre o São Caetano , na noite desta quarta-feira, no estádio Anacleto Campanella.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Luis Fabiano comemora gol mandando torcida do São Caetano se calar
Gazeta Press
Luis Fabiano comemora gol mandando torcida do São Caetano se calar

O técnico Ney Franco arriscou um novo esquema tático neste jogo: o 4-4-2, com Jadson e Ganso no meio-campo. O São Paulo começou exibindo fragilidade atrás e problemas para segurar a velocidade de Jobson e Danielzinho. Mesmo assim, prevaleceu a força do clube da capital contra um dos últimos colocados da competição, em partida remarcada da segunda rodada, adiada por causa da primeira fase da Libertadores.

O São Paulo abriu o placar com Luis Fabiano, depois de boa jogada de Osvaldo. Sem Wellington, barrado para a entrada de Maicon, os visitantes levaram a virada. Jobson passou por Lúcio para fazer a assistência ao gol de Danielzinho. Apenas dois minutos depois, o próprio ex-botafoguense deixou sua marca.

Porém, ainda no primeiro tempo, Maicon igualou. Já na etapa complementar, provocado pela torcida adversária, Luis Fabiano marcou mais um e deu a resposta aos críticos. Nos acréscimos, Aloísio também fez seu gol. O resultado positivo alavancou o São Paulo aos 16 pontos, levando vantagem sobre o Linense nos critérios de desempate. A ponta segue com a Ponte Preta, que tem 18. Já o São Caetano é o penúltimo, com cinco pontos.

O São Paulo volta a campo na noite de sábado, quando enfrentará o Linense, no estádio do Morumbi. No mesmo dia, o São Caetano busca recuperação diante do Mirassol, no José Maria de Campos Maia.

Rivaldo protege a bola da marcação de Denilson
Gazeta Press
Rivaldo protege a bola da marcação de Denilson

O jogo

Com a nova tática implantada por Ney Franco, o São Paulo começou trocando passes, para fazer funcionar a estratégia. A primeira grande chance da partida realmente foi dos visitantes, mas em cobrança de escanteio. Aos oito, Jadson bateu e Luis Fabiano subiu mais que a defesa para cabecear fora do alcance de Fábio, mas Moradei apareceu em cima da linha para salvar o Azulão.

A consequência de apostar em um meio-campo mais leve foi logo sentida por Ney Franco, que viu o sistema defensivo vulnerável. Assim, Pirão driblou Douglas e chutou forte, exigindo a defesa de Rogério Ceni. Recuperado do susto, o Tricolor abriu o placar aos 13 minutos. Osvaldo recebeu a bola pela esquerda, fez fila e avançou para cruzar rasteiro a Luis Fabiano, que arrematou para as redes.

A partir daí, o Tricolor deu a impressão de que dominaria amplamente, já que pressionou os donos da casa. Osvaldo driblou dois marcadores na intermediária e rolou na esquerda, onde encontrou Maicon livre para finalizar raspando a trave. O meio-campista ainda colocou as mãos na cabeça, inconformado com a chance que desperdiçou. Ao mesmo tempo, a zaga do Azulão reclamou por uma suposta posição irregular.

O problema para os visitantes foram os frequentes erros atrás. Depois de erro de Denilson na saída de bola, Danielzinho recebeu livre pela esquerda, com grande chance para marcar, mas Ceni deixou a meta para abafar e viu o atacante chutar para fora. Aos 24, o Azulão empatou. Jobson deu um lindo drible em Lúcio na esquerda e fez a assistência para Danielzinho finalizar com força, sem dar chance ao goleiro tricolor.

Apenas dois minutos depois, o São Caetano virou o placar. Samuel Xavier fez o lançamento a Jobson, que dominou nas costas de Rafael Toloi e deu um leve toque na saída de Rogério Ceni para balançar as redes. Neste instante, o São Paulo se mostrava perdido em campo, sem saber como lidar com a velocidade de Jobson e Danielzinho.

Porém, o time local não conseguiu manter o nível por muito tempo e permitiu que o adversário crescesse novamente na frente, apesar da atuação apagada de Ganso. Rafael Toloi arriscou batida de falta de longe, mas a bola passou ao lado da meta. Antes do intervalo, a equipe da capital contou com a falha do oponente para igualar.

Aos 45, depois de erro de Samuel Xavier, que não afastou a bola na área, Osvaldo aproveitou na esquerda e passou para Maicon, que bateu da entrada da área. A bola desviou no meio do caminho e enganou o goleiro Fábio, parando apenas nas redes. Nos acréscimos, Douglas ganhou da marcação na direita e rolou para Jadson, que protegeu a bola e finalizou, obrigando Fábio a defender.

No intervalo, Geninho tirou o lateral esquerdo Pirão, que já tinha cartão amarelo, e colocou Diego. Mas a estratégia continuou a mesma do Azulão: a velocidade. Em poucos instantes, Danielzinho deu trabalho duas vezes para Toloi pela esquerda da zaga são-paulina, mesmo sem conseguir finalizar.

Instantes depois, quase uma falha incrível dos são-paulinos. Em lançamento longo, Rogério Ceni saiu na área e foi enganado pelo quique da bola, sem que os zagueiros conseguissem afastar. Mas Jobson recebeu muito perto da linha de fundo e mandou para fora.

Do outro lado, Osvaldo passou por três marcadores e tocou na direita para Luis Fabiano soltar um foguete. A bola bateu na rede pelo lado de fora e enganou parte da torcida tricolor, que chegou a gritar gol. Mesmo assim, a atuação são-paulina ainda não convencia os torcedores da capital.

Descontente com sua equipe, Ney Franco fez duas substituições aos 18 minutos. Cortez e Maicon deixaram a partida para as entradas de Carleto e Wellington. Geninho, por sua vez, tirou Rivaldo e apostou em Eduardo. Mais uma vez, quem teve a chance de fazer foi Luis Fabiano, que girou na área e concluiu, em nova defesa de Fábio.

A resposta da agremiação do ABC saiu em chute de fora da área de Jobson, defendido com firmeza por Rogério Ceni. Já Fábio não pôde repetir o são-paulino no lance seguinte. Carleto chutou de fora da área, a bola quicou e bateu no peito do goleiro da casa.

A torcida são-paulina se levantou com a jogada, mas só pôde comemorar pouco depois, aos 27. Em jogada Jadson e Douglas, Luis Fabiano finalizou cruzado da direita para marcar seu segundo gol no confronto. Depois do gol, o atacante fez sinal de silêncio para a torcida adversária, que vinha o provocando. A irritação do atleta com os fãs do Azulão rendeu até uma bronca do árbitro.

Antes do fim do jogo, ainda teve tempo para Ganso ser aplaudido ao ser substituído por Aloísio. Nos acréscimos, Aloísio não desperdiçou a chance que teve e empurrou para as redes.

FICHA TÉCNICA - SÃO CAETANO 2 X 4 SÃO PAULO
Local:
Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul (SP)
Data: 20 de fevereiro de 2013, quarta-feira
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho (SP)
Assistentes: Gustavo Rodrigues de Oliveira e Edson Rodrigues dos Santos (ambos de SP)
Assistentes adicionais: Welton Orlando Wohnrath e Regildenia de Holanda Moura (ambos de SP)
Cartões amarelos: Pirão, Jobson, Samuel Xavier (São Caetano). Rafael Toloi (São Paulo)
Público: 9.213 espectadores
Renda: R$ 267.615,00

GOLS:
SÃO CAETANO: Danielzinho, aos 24, e Jobson, aos 26 minutos do primeiro tempo
SÃO PAULO: Luis Fabiano, aos 13 minutos do primeiro tempo e aos 27 minutos do segundo. Maicon, aos 45 minutos do primeiro tempo. Aloísio, aos 46 minutos do segundo tempo

SÃO CAETANO: Fábio; Samuel Xavier, Eli Sabiá, Bustamante e Pirão (Diego); Moradei (Eder), Marcone, Leandro Carvalho e Rivaldo (Eduardo); Jobson e Danielzinho
Técnico: Geninho

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Douglas, Lúcio, Rafael Toloi e Cortez (Carleto); Denilson, Maicon (Wellington), Jadson e Ganso (Aloísio); Osvaldo e Luis Fabiano
Técnico: Ney Franco

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas