Tamanho do texto

Meia Jadson e vice-presidente de futebol do clube enxergam decisão aberta. Presidente do Tigre vê time argentino "pronto para fazer algo histórico"

O São Paulo recebe a visita do Tigre nesta quarta-feira para a decisão do título da Copa Sul-Americana. Apesar do empate na Argentina na primeira partida e de contar com o apoio da torcida no Morumbi neste segundo jogo, o clube não entrará em campo como favorito. Pelo menos é esse o raciocínio do grupo são-paulino.

Quem será campeão da Copa Sul-Americana: São Paulo ou Tigre? Deixe seu palpite

Jadson, meia do São Paulo, ao lado da taça da Copa Sul-Americana
GazetaPress
Jadson, meia do São Paulo, ao lado da taça da Copa Sul-Americana

“Pela história do São Paulo, pode-se dizer que somos favoritos, mas a história é outra depois que a bola rola”, afirmou Jadson nesta terça-feira, na entrevista coletiva de apresentação da final da Sul-Americana. “Jogando em casa, conhecendo o gramado e com apoio da torcida, temos vantagem. Mas a gente vai ter que jogar muita bola. O time do Tigre é muito bom, marca em cima e chega junto. Nossa equipe é mais técnica, vamos ter que botar isso em prática no jogo para superar as adversidades”, completou.

Trofeu de campeão da Copa Sul-Americana
Gazeta Press
Trofeu de campeão da Copa Sul-Americana

João Paulo de Jesus Lopes, vice-presidente de futebol do São Paulo, seguiu a mesma linha no discurso e classificou o favoritismo como uma questão subjetiva. “É muito difícil atribuir favoritismo a uma equipe em uma final. As pessoas se superam e as condições externas podem acabar exercendo algum tipo de influência. Isso tudo nós só vamos saber depois do jogo”, declarou.

Leia também:  De saída, Lucas espera voltar ao São Paulo daqui a dez anos

Do lado do Tigre, o pensamento coletivo é o de fazer história no Morumbi. Rodrigo Molinos, presidente do clube, reverenciou as conquistas do passado do adversário brasileiro, mas afirmou que o time argentino está pronto para ser campeão.

E mais: Ney Franco pede arbitragem rígida após jogo violento em Buenos Aires

“O São Paulo é um dos grandes times do futebol mundial e nós os respeitamos desta maneira", disse Molinos. "É um grande orgulho para nós enfrentá-los, mas nós estamos preparados. Toda a comissão técnica e os jogadores estão prontos para fazer algo histórico. Muitos clubes argentinos têm títulos internacionais, mesmo aqueles que não são considerados grandes. Por isso, consideramos que podemos levar a taça para a Argentina”, finalizou.

A partida desta quarta-feira entre São Paulo e Tigre no Morumbi está marcada para as 21h50 (de Brasília). Como o primeiro jogo terminou empatado, quem vencer a partida leva a taça. Vale lembrar que o gol marcado fora de casa não serve como critério de desempate na decisão. Desta maneira, em caso de nova igualdade, o campeão será definido nos pênaltis.