Tamanho do texto

Com o empate sem gols contra o Tigre, o São Paulo precisa de uma vitória simples no Morumbi para garantir o título da Copa Sul-Americana

Luis Fabiano lamenta expulsão
AFP
Luis Fabiano lamenta expulsão

Com exceção do atacante Luis Fabiano, que perdeu a cabeça e foi expulso no primeiro tempo, os jogadores do São Paulo não sentiram a pressão de disputar uma final em La Bombonera. Nesta quarta-feira, pela decisão da Copa Sul-Americana, os comandados de Ney Franco empataram com o Tigre por 0 a 0.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Considerado um dos jogadores mais experiente do elenco são-paulino, o camisa 9 tentou acertar um chute no zagueiro argentino Donatti logo nos primeiros minutos da partida. Após muita discussão e empurra-empurra, o árbitro Antonio Arias, do Paraguai, também mostrou o cartão vermelho para o jogador do Tigre.

Leia mais:  Ídolos da base apontam falhas no aproveitamento de jovens em Cotia

Agora, na próxima quarta-feira, o São Paulo precisa vencer a partida de volta para ficar com o título da Copa Sul-Americana e quebrar um jejum de quatro anos sem conquistas. Em caso de empate por qualquer placar, o título será decidido nos pênaltis. Vale lembrar que todos os ingressos colocados à disposição da torcida tricolor foram vendidos em menos de 24 horas.

O jogo:

Mesmo jogando em La Bombonera, o São Paulo ignorou o fator casa e foi para cima do Tigre no começo da partida. Aos quatro minutos, o atacante Luis Fabiano recebeu sozinho na grande área e chutou cruzado para grande defesa do goleiro Albil.

Apesar do melhor momento do time brasileiro na decisão, Luis Fabiano perdeu a cabeça aos 12 minutos. Após se envolver em confusão com os jogadores argentinos e tentar acertar um chute no adversário, o camisa 9 foi expulso. No tumulto, o zagueiro Donatti também levou o cartão vermelho por causa do empurra-empurra.

Com amplo domínio na posse de bola, o clube do Morumbi seguiu ditando o ritmo da partida depois das expulsões. No entanto, sem um jogador de referência no ataque, os comandados de Ney Franco só levaram perigo nos chutes de fora da área. Aos 24 minutos, por exemplo, Denilson soltou a bomba e fez Albil trabalhar.

Cortez toca de lado e avança para o ataque
AFP
Cortez toca de lado e avança para o ataque

Errando muitos passes, o time argentino só conseguiu criar jogadas de ataque no fim da primeira etapa. Na melhor delas, aos 44 minutos, Diego Ferreira recebeu passe de Botta e soltou a bomba por cima do gol de Rogério Ceni.

No segundo tempo, o time mandante pressionou a saída de bola do São Paulo e apostou nos cruzamentos na área para chegar no gol defendido por Rogério Ceni.

Preocupado com a queda de rendimento do São Paulo na etapa final, Ney Franco resolveu promover a primeira substituição da partida. Aos 15 minutos, o treinador sacou Jadson para a entrada de Cícero.

Apesar da mudança, o clube do Morumbi seguiu sendo dominado e só conseguiu encaixar uma boa jogada de ataque aos 39 minutos, quando Osvaldo invadiu a área e chutou em cima da marcação argentina. Nos acréscimos, o Tigre foi com tudo para o ataque, mas o São Paulo segurou a pressão e garantiu o empate.

FICHA TÉCNICA
TIGRE-ARG 0 X 0 SÃO PAULO

Local: La Bombonera, em Buenos Aires (Argentina)
Data: 5 de dezembro de 2012 (quarta-feira)
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Antonio Arias (PAR)
Assistentes: Rodney Aquino (PAR) e Darío Gaona (PAR)
Cartões amarelos: Botta e Paparatto (Tigre); Rafael Toloi, Rhodolfo e Denilson (São Paulo)
Cartões vermelhos: Donatti (Tigre); Luis Fabiano (São Paulo)

TIGRE: Albil; Paparatto, Echeverría, Donatti e Orban; Ferreira, Galmarini, Díaz e Leone; Botta (Torassa) e Maggiolo (Diego Ftacla)
Técnico: Néstor Gorosito

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rafael Toloi, Rhodolfo e Cortez; Wellington, Denilson e Jadson (Cícero); Lucas, Osvaldo e Luis Fabiano
Técnico: Ney Franco

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.